Tamanho do texto

Cientistas estão estudando a causa da velocidade de uma massa de gás tóxica, próxima ao centro da Via Láctea; buraco negro é principal suspeita

Buraco negro tem 100 mil vezes a massa do sol, e fica ‘próximo’ do centro da nossa galáxia
Reprodução/Keio University
Buraco negro tem 100 mil vezes a massa do sol, e fica ‘próximo’ do centro da nossa galáxia

Um buraco negro gigante – com uma massa cem mil vezes maior do que a do Sol – pode ter sido descoberto por cientistas, escondido em uma nuvem de gás tóxica próximo do coração da nossa galáxia.

Leia também: Cientistas criam "chuva de diamantes" para explicar interior de planetas gelados

Caso a descoberta seja confirmada, esse se tornará o segundo maior buraco negro já encontrado na Via Láctea por cientistas, ficando atrás apenas do supermassivo Sagittarius A* , que está ancorado bem no centro da galáxia, e tem a massa quatro milhões de vezes maior que a do Sol. 

Astrônomos japoneses encontraram evidências de um novo objeto de estudo quando reposicionaram um poderoso telescópio no deserto do Atacama, no Chile, em direção à nuvem de gás, na esperança de poder entender o estranho movimento do gás que havia sido percebido. Ao contrário daqueles que compõem as outras nuvens interestelares, os gases nessa nuvem tóxica – que incluem cianeto de hidrogênio e monóxido de carbono – se movem em uma velocidade extremamente diferente.

Leia também: Crânio de 13 milhões de anos traz dados inéditos da evolução de homens e macacos

As observações feitas através do telescópio Alma, do Chile, mostraram que as moléculas na nuvem elíptica –, que está a 200 anos-luz do centro da Via Láctea , ou seja, 150 trilhões de quilômetros –, estão sendo puxadas por forças gravitacionais poderosas. Assim, o que poderia explicar isso, segundo modelos realizados por computadores, é de que seja um buraco negro com não mais de 1,4 trilhões de quilômetros.

As suspeitas dos cientistas de que um buraco negro estivesse no meio dessa nuvem de gás recebeu ainda mais força depois de que as observações captaram ondas de rádio, que vinham do centro da nuvem, indicando a presença do gigante, segundo explicou Tomoharu Oka, um astrônomo da Universidade de Keio, em Tóquio. “Esta é a primeira detecção de um candidato a buraco negro de massa intermediária na galáxia da Via Láctea”, disse ele.

Leia também: Eclipse solar total: Por que olhar diretamente para o evento pode te deixar cego

Os chamados “buracos negros de massa intermediária” preenchem a lacuna existente em torno do conhecimento dos cientistas acerca dos objetos mais massivos de todo o nosso universo. Sobre os menores, sabe-se que ocorrem quando alguns tipos de estrelas explodem – e morrem. De acordo com os cálculos dos cientistas, a Via Láctea é o lar de 100 milhões desses objetos gigantes e poderosos. 

O que é e como se forma

O buraco negro é formado com a explosão e morte de uma grande estrela , o que faz com que a densidade se torne infinita com o acúmulo de massa em torno de um único ponto. Nessa região do espaço, a gravidade puxa com tamanha força os outros objetos espaciais que nem mesmo a luz escapa e, por isso mesmo, não é possível enxergar nenhum dos buracos negros existentes. Sendo todos invisíveis. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.