Tamanho do texto

Brasileiros torcem por uma noite de tempo aberto para que todos consigam presenciar eclise; passagem de cometa só será vista por meio de telescópio

Em Brasília e nas demais cidades em que está em vigor o horário de verão, o eclipse tem início previsto para as 20h34 desta sexta
Nasa
Em Brasília e nas demais cidades em que está em vigor o horário de verão, o eclipse tem início previsto para as 20h34 desta sexta

A chegada da lua cheia, nesta sexta-feira (10), será marcada por um fenômeno conhecido como eclipse penumbral. Ele poderá ser visto em todo o Brasil e em países da Ásia, Europa, África, do Oriente Médio e das Américas do Sul e do Norte.

LEIA MAIS: Relembre o fenômeno do eclipse solar que começou na quarta-feira e acabou no dia anterior

O eclipse penumbral é um fenômeno astronômico que ocorre quando a lua entra na região da penumbra da Terra e resulta em uma variação do brilho da lua que dificilmente é notada.

A sombra projetada pela Terra tem duas partes denominadas umbra e penumbra. A umbra é uma região em que não há iluminação direta do Sol e a penumbra é uma região em que apenas parte da iluminação é bloqueada.

Em Brasília e nas demais cidades em que está em vigor o horário de verão, o fenômeno tem início previsto para as 20h34 desta sexta. A fase máxima do eclipse está prevista paras as 22h44.

LEIA MAIS: Eclipse total deixa a Lua vermelha e fenômeno é visto em diversas regiões do mundo

Cometa neste sábado

Nas primeiras horas deste sábado (11), será a vez de o cometa 45P/Honda-Mrkos-Pajdušáková passar relativamente próximo à Terra. Segundo o Observatório Astronômico de Lisboa, em Portugal, o cometa percorre uma órbita elítica de período curto, cruzando a órbita da Terra a cada 5,25 anos.

Desta vez, ele passará a uma distância de 12.431.583 quilômetros da Terra, ou seja, 32 vezes a distância da Terra à Lua. 

De acordo com o observatório português, o cometa 45P/Honda-Mrkos-Pajdušáková foi descoberto em 5 de dezembro de 1948 por Minoru Honda. Posteriormente, foi detectado por Antonín Mrkos e Ludmila Pajdušáková em placas fotográficas, do Observatório Skalnate Pleso, na Eslováquia.

LEIA MAIS: Eclipse faz lua "sangrar" pela terceira vez em menos de um ano; veja fotos do fenômeno

A passagem do cometa, ao contrário do eclipse penumbral, só poderá ser vista por meio de um telescópio e em tempo aberto. 

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.