Tamanho do texto

Fósseis escavados na Austrália sugerem que saurópodes deixaram América do Sul e cruzaram o mapa pela Antártida durante era de aquecimento global

Savannasaurus: novo espécime de dinossauro encontrado na Austrália pode ter migrado da América do Sul
Travis Tischler/Museu Era dos Dinossauros
Savannasaurus: novo espécime de dinossauro encontrado na Austrália pode ter migrado da América do Sul

Alguns dos gigantes da família dos dinossauros podem ter se originado na América do Sul, cruzado a Antártida e chegado até a Austrália 100 milhões de anos atrás.

Os dinossauros podem ter tido a oportunidade de fazer a jornada quando uma onda breve de calor permitiu a passagem por ligações de terra entre os continentes.

Dois fósseis descobertos na Austrália trouxeram mais evidências para reforçar essa teoria.

As duas espécies são saurópodes – um grupo de grandes dinossauros herbívoros com pescoços longos e cabeças pequenas –, mais tarde classificados como titanossauros, que estão entre os maiores dinossauros a habitar o planeta.

LEIA TAMBÉM:  Cientistas anunciam descoberta do maior dinossauro brasileiro em São Paulo

O coordenador da pesquisa, Stephen Poropat, do Museu Australiano Era dos Dinossauros, disse que os espécimes aumentam o conhecimento de como era a região do continente australiano entre 95 e 98 milhões de anos atrás.

"Assim temos uma ideia melhor da fauna como um todo", disse.

"O resultado é que podemos começar a juntar as peças de como o clima afetou esses dinossauros, como as posições dos continentes os afetaram e como eles se desenvolveram ao longo do tempo".

Árvore geneológica

Coordenador da pesquisa, Stephen Poropat, do Museu Australiano Era dos Dinossauros, entre as vértebras do dinossauro
Judy Elliot/Museu Era dos Dinossauros
Coordenador da pesquisa, Stephen Poropat, do Museu Australiano Era dos Dinossauros, entre as vértebras do dinossauro

Um dos fósseis dos dinossauros foi encontrado na cidade de Winton, na região centro-oeste de Queensland. 

Ele foi chamado  Savannasaurus elliottorum  em referência aos Elliott, a família que encontrou a pilha de fósseis em sua propriedade quando cuidava de ovelhas.

O esqueleto do dinossauro estava encrustado em uma rocha e levou dez anos para ser remontado.

Os pesquisadores também descobriram ossos de outra espécie de saurópode, o Diamantinasaurus matildae .

"Este novo espécime de Diamantinasaurus ajudou a preencher diversas lacunas nos nossos conhecimentos da anatomia desse dinossauro", disse Poropat. 

LEIA TAMBÉM:  Impacto de cometa ajudou mamíferos a dominarem a Terra, diz estudo

"A caixa craniana em particular nos permitiu refinar a posição do Diamantinasaurus na árvore genealógica dos saurópodes."

Jornada polar

Os dois espécimes ajudaram a mostrar que os titanossauros viviam em todo o planeta há 100 milhões de anos.

Isso foi possível devido à disposição dos continentes e ao clima da época.

O professor Paul Upchurch, da University College de Londres, disse que a Austrália e a América do Sul se conectavam com a Antártida durante a maior parte do período Cretáceo.

LEIA TAMBÉM:  Três motivos pelos quais a batalha de Mossul contra o Estado Islâmico é tão importante

Quando o Savannasaurus ainda existia, há 95 milhões de anos, a temperatura global era ligeiramente mais alta que a de hoje, mas mais frio nos polos.

"Suspeitamos que o ancestral do Savannasaurus era da América do Sul, mas não entrou na Austrália até aproximadamente 105 milhões de anos", disse.

"Naquele período, a temperatura global aumentou, permitindo aos saurópodes atravessar massas de terra em latitude polares."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.