Cientista que "matou" Plutão afirma não se arrepender

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Mike Brown diz que Plutão era o primeiro corpo celeste encontrado nesta pouco explorada área do Sistema Solar

BBC

As imagens e descobertas da sonda da Nasa New Horizons vêm reforçando os apelos para que Plutão volte a integrar o clube de planetas – do qual foi expulso sem cerimônias em 2006.

No entanto, o professor Mike Brown, da universidade Caltech (Califórnia), conhecido como "o homem que matou Plutão", disse à BBC que os que pedem que o planeta volte ao clube parem de viver no passado.

Leia mais:

New Horizons revela existência de montanhas em Plutão

Sonda entra em contato com a Terra após passagem por Plutão

"As pessoas que a gente mais ouve pedindo a reinstalação do planeta são aquelas envolvidas na missão (New Horizons). Entendo que seja emocionalmente difícil para eles", disse.

"Eles querem que Plutão seja um planeta porque querem voar para lá. Mas seria bem melhor se aceitassem a realidade de que ele não é um planeta e ficassem empolgados com o fato de que estão indo para um novo tipo de objeto no Sistema Solar."

O professor Mike Brown diz não se incomodar em ser chamado de
Reprodução/BBC
O professor Mike Brown diz não se incomodar em ser chamado de "assassino de Plutão" se isso contribui para a compreensão do Sistema Solar

Golpe de misericórdia

Os pedidos para que Plutão fosse rebaixado começaram após outro objeto no Cinturão de Kuiper ter sido descoberto em 1992. Alguns argumentavam que Plutão era simplesmente o primeiro corpo celeste encontrado nesta pouco explorada área do Sistema Solar.

No entanto, o golpe de misericórdia foi dado pelo professor Brown, com sua descoberta do planeta anão Eris, em janeiro de 2005. Era como Plutão, mas como uma massa maior.

Essa foi uma das descobertas que fez com que a União Astronômica Internacional (UAI) criasse uma comissão para reavaliar a definição de planetas.

Assim, em 2006, a UAI teve que decidir se admitia Eris, e outros pequenos mundos como Ceres, ou se expulsava Plutão. Era preciso escolher um ou outro – manter o status quo não era possível.

Brown argumenta que a se a UAI tivesse decidido manter Plutão como um planeta e admitisse Eris, a organização eventualmente teria de considerar a candidatura de centenas, talvez milhares, de outros aspirantes a planetas.

"Não há outra maneira de categorizar os Sistema Solar além de descrevê-lo como tendo oito objetos dominantes, que são os planetas que conhecemos. Não há nenhuma vantagem em se manter Plutão e em classificá-lo como um dos planetas maiores, porque ele simplesmente não é."

Então como o professor Brown reagiu quando soube que Plutão havia sido rebaixado? Foi um momento de alegria ou ele foi tomado pela culpa?

Ele compara o episódio a um assassinato a sangue frio, um ato de misericórdia que era necessário para o bem da ciência.

"Para mim, estava claro já fazia alguns anos que Plutão estava classificado de maneira errada. Então, fiquei bem feliz com a ideia (da demoção de Plutão) de que agora poderíamos voltar e corrigir esses erros", disse.

Integrantes da missão da Nasa e convidados comemoram em Maryland, nos Estados Unidos
AP
Integrantes da missão da Nasa e convidados comemoram em Maryland, nos Estados Unidos

Sem arrependimentos

Mas o rebaixamento de Plutão continua polêmico. Muitos cientistas afirmam que ele deve permanecer como planeta, argumentando que ele parece um planeta, se comporta como tal e vem sendo considerado um há três quartos de século.

Isso, no entanto, não muda a opinião do professor Brown.

"Não, nenhum arrependimento. Mas fico triste com os acontecimentos desta década desde a demoção de Plutão. Gostaria que as pessoas tivessem aceitado o novo status de Plutão como uma parte interessante do Cinturão de Kuiper, em vez de ficar discutindo se é um planeta ou não", disse.

Se há alguns anos Mike Brown reagia com certa ironia ao ser cumprimentado como "o homem que matou Plutão", hoje em dia ele parece gostar do apelido. Chegou até a usá-lo seu site e em seu livro "How I killed Pluto and why it had it coming" (Como eu matei Plutão e por que ele mereceu, em tradução livre).

Ele me disse que o título era pra ser uma brincadeira inteligente, mas que ninguém entendeu na época.

"Eu pensei que achariam engraçado falar em matar Plutão, porque ele era o deus do mundo inferior (dos mortos, na mitologia grega), mas ninguém entendeu", disse Brown.

"Era algo forte, para chamar atenção. E isso é importante em termos de educação. Quero que as pessoas entendam o que o Sistema Solar é exatamente. E, se ficar me chamando de "assassino de Plutão" ajudar nisso, aceito o apelido de bom grado."

Mensagens raivosas

O professor conta que ainda recebe mensagens raivosas no Twitter sobre Plutão – na grande maioria, de pessoas que aprenderam na escola que ele era um planeta.

Mas ele conta que as crianças que cresceram sabendo que Plutão não é um planeta aceitam a ideia sem problemas. Por isso, ele acredita que a polêmica vai morrer.

"Acreditava-se que o Sol e a Lua eram planetas também, mas isso foi superado há muito tempo. Acho bem mais interessante termos um novo tipo de objeto para estudar do que um planeta excêntrico no fim do Sistema Solar."

"Espero que depois da New Horizons essa discussão chegue ao fim e que a gente possa começar a falar sobre Plutão e sobre o que aprendemos sobre o restante do Cinturão de Kuiper."

Confira imagens do espaço

Imagem, obtida com o Very Large Telescope do ESO, mostra a galáxia NGC 1187. Foto: ESOO brilho intenso da Nebulosa da Gaivota é causado pela radiação de uma estrela jovem e quente situada no centro da galáxia. Foto: ESOImagem de Saturno feita pela sonda Cassini. Pesquisa seguirá até ao menos 2017. Foto: NasaTelescópio ALMA, no deserto do Atacama (chile) capta estrutura em espiral ao redor da estrela R Sculptoris. Foto: ESO/Joseph DePasqualeIlustração mostra o material ejetado do buraco negro no quasar SDSS J1106+1939. Foto: ESO/L. CalçadaImagens de buracos negros na galáxia espiral IC 342 são mais vivas que de outros com tamanhos semelhantes
. Foto: NASA/JPL-Caltech/DSSSupernova Cassiopeia A, cuja imagem foi captada pelo NuSTAR, fica a 11 mil anos-luz da Terra
. Foto: NASA/JPL-Caltech/DSSNova imagem mostra a beleza das nuvens de poeira cósmica na região de Orion. Foto: ESOMenina de 12 anos manda boneca Hello Kitty para a estratosfera. Foto: tvigImagem do furacão gigante no Polo Norte de Saturno foi captada pela sonda Cassini. A foto foi colorida em computador. Foto: AP Photo/NASA/JPL-Caltech/SSI 'Fita' retorcida de gás frio e poeira na Via Láctea, com mais de 600 anos-luz de comprimento. Foto: ESA/NASA/JPL-Caltech/Hi-GAL Acima, o RCW 120, uma bolha de gás e poeira no espaço, em volta de uma grande estrela. Foto: ESA/SPIRE/PACS/HOBYS Galáxia de Andrômeda vista por dois telescópios: Herschel (em laranja) e Newton XMM (em azul). Foto: ESA/SPIRE/PACS/HELGA/EPIC/OMConstelação de Serpente vista pelos detectores infravermelhos do telescópio Herschel. Foto: ESA/Herschel/PACS/SPIRE/HOBYS ConsortiumVista infravermelha das nuvens de gás e poeira da constelação do Cisne, invisível a telescópios óticos. Foto: ESA/Herschel/PACS/SPIRE/HOBYS ConsortiumA nebulosa Laço de Cisne – resto de uma supernova  - que ocupa o três vezes o tamanho da lua cheia no céu. A nebulosa fica a 1500 anos luz da Terra.. Foto: NasaRiachos de água esverdeada correm pelo plataforma de gelo de Amery, na Antártida, nesta foto de satelite tirada em fevereiro. Foto: NASA/ESAO sistema estelar Eta Carinae se mostra com sue formato inusitado nessa imagem do telescópio Hubble.. Foto: NASA/ESAOs cosmonautas Oleg Kononenko e Anton Shkaplerov fazem uma caminhada espacial para manutenção da ISS em 16/02/2012. Foto: NASA/ESAEsta vista de cima do robô Opportunity mostra o equipamento coberto de poeira marciana. Foto: NASA/ESAUm filamento solar "escapa" do polo norte do Sol. nesta imagem ultravioleta . Foto: NASA/ESAEstrelas jovens são vistas na nebulosa de Órion. Foto: NASA/ESAVista detalhada do cluster de estrelas Messier 9, que fica a 25 mil anos-luz da Terra. Foto: NASA/ESAO cânion Ius Chasma, em Marte, tem 940 quilômetros de extensão. Foto: NASA/ESAFoto aérea, tirada pela ISS, mostra como a agricultura chegou ao norte do deserto da Árabia Saudita. Foto: NASA/ESAFoto de um astronauta da ISS mostra as luzes na região mediterrânea da Europa . Foto: NASA/ESALuzes de Dubai, pelo ponto de vista da Estação Espacial Internacional (ISS). Foto: NASA/ESARedemoinhos em Marte como o da foto podem ter até 10 km de altura. Foto: NASA/ESAO braço robótico e paineis solares da ISS se confundem com as luzes da Europa nesta foto tirada pela tripulação da estação. Foto: NASA/ESACrateras na região de Syrtis Major, que fica perto do equador de Marte . Foto: NASA/ESAA nebulosa NGC 3324 tem um formato peculiar, que segundo alguns, lembra o perfil da poeta chilena Gabriela Mistral. Foto: NASA/ESAAs diferentes cores da cratera Toro, em Marte, mostram a diversidade de minerais no solo do planeta. Foto: NASA/ESAEsta nova imagem do Hubble mostra uma reflexão da Via Láctea, a galáxia onde fica a Terra . Foto: NASA/ESANova imagem da lua Dione, feita pela sonda Cassini. Ela é uma das luas de Saturno. Foto: NASA/ESAO círculo no canto esquerdo inferior marca o ponto onde o jipe-robô Spirit chegou em Marte, em 2004. Foto: NASA/ESAUma tênue mancha vermelha no canto superior direito ajudou cientistas a identificar uma galáxia anã, a NGC 4449. Foto: NASA/ESAEsta imagem infravermelha é a mais detalhada já feita da Nebulosa Carina. Foto: NASA/ESAEsta erupção solar foi observada pela Nasa em janeiro de 2012. Foto: NASA/ESAOutra imagem da sonda Cassini mostra as luas Titãs e Reia, de Saturno, quase sobrepostas. Foto: NASA/ESAVista da cratera Kuiper, em Mercúrio, tirada pela sonda Messenger . Foto: NASA/ESAEstrelas se formam dentro da Nuvem Molecular de Touro, que parece uma cicatriz cortando o céu . Foto: NASA/ESALançamento do foguete Vega, da Agência Espacial Europeia, em fevereiro de 2012, na Guiana Francesa. Foto: NASA/ESA


Leia tudo sobre: plutãoplanetassistemasolar

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas