Admiração por cientistas me fez estudar, conta brasileiro premiado

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

O brasileiro Artur Ávila foi o primeiro latino-americano a ser premiado com a medalha Fields por entidade de matemática

Agência Brasil

O matemático brasileiro Artur Ávila, primeiro latino-americano premiado com a Medalha Fields da União Internacional de Matemática, conta que foi sua admiração por cientistas que o levou a estudar. 

Matemático premiado Artur Ávila planta jequitibá em homenagem a Einstein no Rio
Tania Rego / Agencia Brasil
Matemático premiado Artur Ávila planta jequitibá em homenagem a Einstein no Rio

Ávila participou nessa sexta-feira (10) de uma homenagem aos 90 anos da visita do físico alemão Albert Einstein ao Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Artur Ávila recebeu a proposta de plantar o jequitibá logo ao retornar ao Brasil, em agosto do ano passado, depois de conquistar a medalha, considerada o Nobel da Matemática, em Seul, na Coreia do Sul.

O matemático disse que, depois do prêmio, sua vida profissional não mudou, mas que passou a ser visto como um “modelo” de cientista para inspirar a juventude. “Não me esquivei dessa responsabilidade e tento contribuir, na medida do possível, para ter algum impacto positivo. Acho que é importante para o Brasil, porque as crianças sonham. Quando eu era criança, tinha uma grande admiração por cientistas e queria sempre ir nessa direção. Dessa admiração, eu ia estudando. Seria legal que as pessoas pudessem sonhar com esse caminho.”

Ávila plantou uma muda de jequitibá-açu próximo ao local de uma árvore da mesma espécie que encantou o autor da teoria da relatividade em 1925. Segundo relatos da época, repetidos até hoje por funcionários do Jardim Botânico, Einstein teria ficado tão impressionado com as dimensões do jequitibá que abraçou e beijou a árvore.

Na década de 80, o espécime, que ficou conhecido como “Jequitibá do Einstein” morreu depois de ser atingido por um raio. 

Segundo o botânico Claudio Nicoletti de Fraga, curador das coleções vivas do Jardim Botânico, essa é uma homenagem a Ávila e à ciência. “O motivo é mais homenagear a ciência do que a planta, em si. Plantar, a gente planta todo dia aqui no parque. Mas é sempre bom ter um dia para homenagear a ciência”, disse Fraga.

Artur Ávila é pesquisador do Instituto da Matemática Pura e Aplicada, que fica perto do Jardim Botânico, na zona sul do Rio de Janeiro, e diretor de pesquisas do Centro Nacional de Pesquisa Científica, da França.

Veja na galeria imagens da ciência premiadas em 2014

Ovo de piolho, preso a um fio de cabelo. Foto: Kevin Mackenzie, University of Aberdeen/wellcomeimages.org Acima, um morcego de orelhas longas, em raio-X. Foto: Chris Thorn / xrayartdesign.co.uk/wellcomeimages.orgUm tecido de válvula do coração humano com sinais de calcificação. Foto: Sergio Bertazzo, Department of Materials, Imperial College London/wellcomeimages.orgEmbrião de peixe. Foto: Annie Cavanagh e David McCarthy/wellcomeimages.orgImagem mostra uma bomba cardíaca mecânica dentro de um tórax. Foto: Anders Persson/wellcomeimages.orgCristais de vitamina C oxidada. Foto: Spike Walker/wellcomeimages.orgUma flor 'Arabidopsis thaliana'. Foto: Stefan Eberhard/wellcomeimages.orgAs flores astrantias costumam crescer à sombra de árvores e arbustos. Foto: Dr Henry Oakeley/wellcomeimages.orgExame micrográfico mostrando os detalhes de uma pedra no rim. Foto: Kevin Mackenzie, University of Aberdeen/wellcomeimages.orgA mandíbula inferior de um humano da época medieval. Foto: Kevin Mackenzie, University of Aberdeen/wellcomeimages.orgA imagem acima mostra células de câncer de mama sendo submetidas a medicamentos. Foto: Khuloud T Al-Jamal e Izzat Suffian/wellcomeimages.orgRessonância magnética de fibras de nervos no cérebro de um adulto saudável. Foto: Zeynep M Saygin, McGovern Institute, MIT/wellcomeimages.orgA imagem acima é de um composto agrícola. Foto: Eberhardt Josue Friedrich Kernahan e Enrique Rodriguez Canas/wellcomeimages.orSemicondutor em células solares/fotovoltaicas. Foto: Eberhardt Josué Friedrich Kernahan e Enrique Rodríguez Cañas/wellcomeimages.orgCarrapato. Foto: Ashley Prytherch, Royal Surrey County Hospital NHS Foundation Trust/wellcomeimages.orgAcima, um botão de flor. Exposição permite o acesso a um amplo catálogo de ilustrações científicas. Foto: Lilium flower bud, TS by Spike Walker/wellcomeimages.orgA exposição entra em cartaz nesta quarta-feira no Centro de Ciências de Glasgow, na Escócia. Foto: Spike Walker/wellcomeimages.orgA mostra também será exibida em outras cidades do Reino Unido, como Manchester, Cardiff, Belfast e Londres. Foto: Anders Persson/wellcomeimages.or


Leia tudo sobre: ciênciaeinsteinartur ávila

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas