Escultura egípcia de 2.500 anos é salva do lixo e vendida por R$ 220 mil

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Estátua de bronze, feita para abrigar os restos mumificados de um gato, foi tido como velharia após morte da verdadeira dona

BBC

Quando a britânica Doreen Liddell, de 95 anos, morreu no ano passado, ela deixou a seus parentes um artefato muito especial – um gato de 2.500 anos.

Leia todas as notícias de Ciência

Estátua de bronze funcionava como 'sarcófago' para múmia de gato
Reprodução/BBC
Estátua de bronze funcionava como 'sarcófago' para múmia de gato

Os familiares de Liddell começaram a limpar a casa em que ela vivia em Penzance, na Cornuália, e encontraram o gato, que pensaram ser apenas um bibelô velho.

Na verdade, a "velharia" era um artefato raro do Egito Antigo – uma estátua de bronze, feita para abrigar os restos mumificados de um gato. Um verdadeiro sarcófago felino.

A família planejava jogar a estátua fora, mas ela foi descoberta antes de ir parar na lixeira pelo leiloeiro David Lay, cuja empresa era a responsável pela venda de móveis e outros objetos de Liddell.

A estátua foi vendida em leilão por 52 mil libras (cerca de R$ 229 mil) esta semana para um comprador anônimo, que adquiriu a peça pelo telefone. Acredita-se que ele seja um comerciante de arte internacional.

O gato foi autenticado por um especialista em antiguidades egípcias do Museu Britânico. Mas como ele foi parar no interior da Inglaterra?

O falecido marido de Doreen Liddell – Douglas Liddell – foi um dos responsáveis pela venda dos pertences de Howard Carter, o famoso arqueólogo que escavou a tumba de Tutancâmon.

Após a aposentadoria de Liddell – ele era diretor da Spink & Son, uma empresa londrina que cuida de vendas de antiguidades egípcias –, o casal foi viver na Cornualha, no sudoeste da Inglaterra, em 1987.

O gato data da 26ª Dinastia de faraós egípcios, entre os anos 700 e 500 a.C., e sua fabricação pode ter sido encomendada por um egípcio de alto poder aquisitivo e status na sociedade da época, segundo David Lay.

Leia tudo sobre: egitoliddellreino unido

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas