Britânicos desenvolvem carro supersônico que pode chegar a 1.600 km/h

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Engenheiros querem quebrar recorde mundial de velocidade em terra; o atual é de 1.223,6 km/h e foi estabelecido em 1997

BBC

Um grupo de engenheiros da Grã-Bretanha está construindo um carro para quebrar o recorde mundial de velocidade em terra. Impulsionado pelo motor de um caça Eurofighter, o veículo poderá atingir a marca de 1.609 km/h.

Vídeo: Britânicos iniciam construção de carro supersônico

Reprodução/BBC
Usando o motor de um avião, o Bloodhound tentará atingir a marca de 1.609 km/h


2010: Britânicos apresentam protótipo de carro mais rápido do mundo

O atual recorde mundial (1.223,6 km/h) foi estabelecido em 1997 pelo britânico Andy Green. A marca tem significado especial por equivaler a mil milhas - a medida de distância usada pelos britânicos. É também Andy Green quem estará a bordo no novo veículo.

Batizado de Bloodhound (cão de caça, em tradução livre), o carro tentará quebrar o recorde a partir do ano que vem, em Hakskeen Pan, uma área desértica da África do Sul. O carro ainda está em fase de testes, em especial do impacto da resistência do ar sobre a estrutura. Em altíssimas velocidades, a pressão sobre os chassis pode chegar a 30 toneladas.

"É o suficiente para rasgar o carro ao meio se algo der errado", explicou Green à BBC.

Testes cuidadosos

Os riscos, no entanto, vão muito além de uma questão de engenharia. A região de Hakskeen Pan não é apenas desértica, mas plana. Por isso foi escolhida como pista para o carro supersônico.

No entanto, em velocidades como as que o Bloodhound pretende alcançar, até um pequeno seixo pode causar um acidente.

Reprodução/BBC
Andy Green estabeleceu o atual recorde mundial de velocidade em terra, que é de 1.223,6 km/h

"Uma pedrinha pode arrebentar uma roda como se alguém tivesse atirado nela", afirma Mark Chapman, engenheiro-chefe Projeto Bloodhound. Não por acaso, as rodas do carro mereceram atenção especial no projeto.

Os engenheiros calculam que elas vão girar a 10.500 rotações por minuto, o suficiente para desintegrar muitos materiais conhecidos pelo homem - o carro também não pode usar pneus, que não resistiriam ao calor e ao atrito.

Na África do Sul, uma equipe de 130 pessoas cuida especificamente da pista de provas, em operações de limpeza, mas Chapman não quer dar chance ao acaso.

"Temos testado as rodas ao extremo, praticamente metralhando-as com pedras", explica.

Se atingir a velocidade de 1.609 km/h é uma obsessão, mais atenção ainda é dada à tarefa de parar o carro.

"Ir depressa é a missão, mas precisamos estar certos de que o carro vai parar", brinca Green.

Sendo assim, o Bloohound tem nada menos que três sistemas de frenagem. O carro consume uma enorme quantidade de combustível: 400 litros de gasolina de avião e 800 litros de peróxido de hidrogênio.

Leia tudo sobre: carro supersonicochapmanbloohoundafrica do sulgra bretanha

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas