Mangueira leva arqueólogos a desvendarem mistério de Stonehenge, na Inglaterra

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Grama seca por calor do verão delineou locais onde teriam sido colocadas pedras que comporiam círculo monolítico completo

BBC

Uma mangueira curta demais levou arqueólogos a esclarecer um dos mistérios de Stonehenge, na Inglaterra: o antigo monumento realmente era circular.

2012: Exame a laser mostra importância do solstício em Stonehenge

English Heritage/divulgação
As marcas das pedras originais podem ser vistas nas áreas de grama ressecada


Monumento: Acústica teria inspirado Stonehenge, segundo teoria científica

Especialistas reexaminaram o sítio arqueológico após serem contatados pelo administrador do local, que percebeu que a grama estava ressecada ao longo de trincheiras indicando o formato original do monumento.

O responsável pela manutenção de Stonehenge, Tim Daw, contou que estava de pé na trilha que circunda as rochas, olhando para a grama próxima às pedras e pensando que deveria comprar uma mangueira mais longa.

Foi então que percebeu que a grama estava mais ressecada nos locais em que arqueólogos tinham buscado, sem sucesso, pelas pedras que faltam.

"Chamei um colega e ele também percebeu que isso poderia ter uma importância. Como não somos arqueólogos, chamamos os profissionais", disse Daw a repórteres.

A equipe tirou fotos aéreas e ficou constatado que Stonehenge era, de fato, um círculo completo.

Trincheiras de 1901

Há tempos os arqueólogos discutem se Stonehenge, um monumento erguido entre 4 mil e 5 mil anos atrás, no período Neolítico, era um círculo completo ou intencionalmente construído na forma de semi-círculo.

Esta distinção pode influenciar as teorias que explicam a razão de ser da estrutura de pedra, próxima à cidade de Salisbury, no sudoeste da Inglaterra.

Daw explicou que as partes mais ressecadas, que indicavam o formato original do monumento, correspondiam a escavações arqueológicas documentadas, inclusive duas trincheiras escavadas pelo engenheiro William Gowland em 1901.

O fato de marcas aparecerem nos locais em que as trincheiras existiam reforça a teoria de que eles indicam áreas de terra removida.

As conclusões foram publicadas na revista especializada Antiquity. O estudo destaca que, embora Stonehenge seja um dos monumentos mais analisados do planeta, ainda guarda surpresas.

Os cientistas também dizem que a descoberta ressalta a importância de um monitoramento contínuo do patrimônio arqueológico por terra e ar.

A organização britânica de patrimônio English Heritage disse que a descoberta é "muito significativa".

"Muita gente acha que nós escavamos o sítio inteiro e que já sabemos tudo que se pode saber sobre Stonehenge. Mas na verdade ainda tem muita coisa que não sabemos", Susan Greaney, historiadora da organização.

Leia tudo sobre: Stonehengeinglaterraenglish heritagegowlandantiquitygreaney

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas