Beija-flor é mais eficiente que helicóptero, sugere estudo da Califórnia

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisa visa ensinar engenheiros a projetar asas de aeronaves com maior eficiência aerodinâmica por meio da comparação

BBC

A engenharia ainda não conseguiu se igualar à natureza quando o assunto é voar, segundo um estudo que compara colibris a helicópteros. Os pesquisadores afirmam que as "melhores" espécies dos passarinhos são 20% mais eficientes que um dos mais avançados micro-helicópteros do mundo.

Habilidade: Voar para trás é fácil para o beija-flor

Reprodução/BBC
Imagens em câmera lenta ajudaram os cientistas a calcular a eficiência do pássaro


Curioso: Beija-flor muda forma de voo para voar em meio a temporais

A comparação leva em conta a energia usada por ambos para se manter em voo. Quando se comparam helicópteros à média dos beija-flores, a tecnologia consegue empatar.

O estudo, coordenado pelo professor David Lentink, da universidade de Stanford, na Califórnia, foi publicado na revista especializada Interface da Royal Society Journal britânica.

Arrasto

Uma das maiores dificuldades do estudo foi medir a energia despendida pelos passarinhos ao flutuar no ar.

"Imagine um pássaro de 4g: as forças são mínimas", ele afirmou à BBC. "O resultado disso é que o arrasto nas asas de um beija-flor nunca foi medido com precisão."

O arrasto é a força contrária à força criada pelo bater das asas dos colibris. Lentink e sua equipe tentaram verificar se as asas do beija-flor são mais eficientes – ou seja, se aplicam menos energia para superar a força do arrasto – do que as lâminas da hélice de um helicóptero de dimensões parecidas.

Veja fotos dos animais mais famosos da animação  

A dupla formada por Timão e Pumba em "O Rei Leão" (1994) fez da frase "Hakuna Matata" uma das mais famosas do cinema. Foto: DivulgaçãoDepois do primeiro "Madagascar" (2005), os pinguins Capitão, Kowalski, Recruta e Rico ganharam uma série própria. Foto: DivulgaçãoO Burro da animação "Shrek" arranca risos pela boca grande e o cérebro pequeno (2001). Foto: DivulgaçãoA baratinha Hal serve de bichinho de estimação e companhia do robô de "Wall-E" (2008). Foto: DivulgaçãoA busca do esquilo pré-histórico Scrat por uma noz rende as melhores cenas de "A Era do Gelo" (2002). Foto: DivulgaçãoUm camaleão em busca de seu verdadeiro eu: esse é o personagem central de "Rango" (2011). Foto: DivulgaçãoA peixinha Dory (direita) roubou a cena em "Procurando Nemo" (2003). Foto: DivulgaçãoO ratinho Remy faz a festa nas cozinhas de Paris na animação . Foto: DivulgaçãoEntre os muitos animais de "Mogli - O Menino Lobo" (1967), a cobra Kaa se destaca pelo seu poder de hipnose. Foto: DivulgaçãoDug é o cachorro mais atrapalhado e bondoso da matilha da animação "Up - Altas Aventuras" (2009). Foto: DivulgaçãoSentimental e amalucado, o coelho Roger Rabbit é vítima de uma conspiração em "Uma Cilada para Roger Rabbit" (1988). Foto: DivulgaçãoA coruja Arquimedes trabalha como assistente do mago Merlin em "A Espada Era a Lei" (1963). Foto: DivulgaçãoApesar de brasileira, a arara azul Blu se mete em muitas confusões em "Rio" (2011). Foto: DivulgaçãoApesar de obeso e atrapalhado, o urso panda Po é o guerreiro mais importante de "Kung Fu Panda" (2008). Foto: DivulgaçãoA hiperatividade e empolgação fazem do esquilo Hammy a grande surpresa do filme "Os Sem-Floresta" (2006). Foto: DivulgaçãoOs cachorros Napoleão e Lafayette atormentam a vida do mordomo Edgar em "Os Aristogatas" (1970). Foto: DivulgaçãoO papagaio Iago é o assistente reclamão do vilão Jafar em "Aladdin" (1992). Foto: DivulgaçãoBoa parte da trilha de "A Princesa e o Sapo" (2009) fica por conta do crocodilo trompetista Louis. Foto: DivulgaçãoO cavalo Maximus, de "Enrolados" (2010), usa até uma espada para capturar os fugitivos. Foto: DivulgaçãoSem sair de sua bolinha plástica o hamster Rhino é o grande piadista de "Bolt - Supercão" (2008). Foto: Divulgação

A comparação foi feita com um micro-helicóptero avançado, o Black Hornet, que pesa 16g e é usado por militares britânicos em operações de vigilância no Afeganistão.

Para realizar as medições em laboratório, os cientistas usaram asas de espécimes de colibri mantidos em museus.

Girador de asa

As asas, avulsas, foram conectadas a um equipamento chamado girador de asa. Desta forma, a equipe foi capaz de medir exatamente quanta energia precisa ser aplicada no bater de asas para levantar o peso do pássaro.

Colaboradores do professor Lentink na universidade de British Columbia, no Canadá, registraram o voo de beija-flores selvagens para medir os movimentos exatos de suas asas – que batem até 80 vezes por segundo.

"Ao combinarmos o movimento das asas com o arrasto (medido em laboratório), pudemos calcular a energia aerodinâmica que os músculos do beija-flor precisam gerar para sustentar o voo parado", afirmou Lentink.

Uma espécie norte-americana de colibri, o Calypte anna, foi o campeão, flutuando com muito mais eficiência do que o helicóptero.

"Isso prova que se formos capazes de projetar asas melhor, podemos construir helicópteros que voam parados com tanta eficiência, se não mais, quanto colibris", disse o especialista.

Ele concluiu ainda que em diversas áreas relativas ao voo, a tecnologia não chega nem perto da natureza.

"Mas, se nos concentrarmos só na eficiência aerodinâmica, estamos mais perto do que nunca."

Leia tudo sobre: beija floraeronaveaviaoengenhariacalypteaveasas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas