Centro de pesquisa dos EUA divulga fotos dos 48 anos de trabalho sobre primatas

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Universidade de Duke abre acervo de sua maior base de dados sobre lêmures e outras espécies que antecederam o macaco

BBC

O centro de pesquisas sobre lêmures da Universidade de Duke, nos EUA, disponibilizou na internet uma base de dados de 48 anos sobre a vida de milhares destes primatas em risco de extinção.

2013: Cientistas descobrem que lêmures cavam tocas no solo para hibernar

Os lêmures estudados, como este bebê aiai da foto, são pesados ao longo de suas vidas. Foto: David HaringAqui, uma família de lêmures-pretos-de-olhos-azuis. O macho faz acrobacias enquanto a fêmea carrega o bebê. Foto: Duke Lemur CenterOs lêmures-pretos-de-olhos-azuis (apenas os machos ficam pretos, por volta de oito semanas de idade) estão ameaçados de extinção. Foto: Duke Lemur CenterAlém de lemuroides, o centro reúne informações de primatas que antecedem os macacos e os símios, como lóris e gálagos - todos da família Strepsirrhini. Foto: Duke Lemur CenterAmor, um varecia-preto-e-branco, nasceu em 1981 foi pai de gêmeos cinco dias antes de morrer, aos 32 anos, em 2013. Foto: Duke Lemur CenterEste 'idoso' chamado Jonas tem 29 anos e é o mais velho lêmur-anão mantido em cativeiro. As cataratas são praticamente inevitáveis. Foto: Duke Lemur CenterNa imagem, os estágios de vida de um sifaka diademado. Foto: Duke Lemur CenterEsta foto mostra Lulu e Willow, um par de gêmeos de lêmur-de-cauda-anelada (aqui, pendurados na cauda da mãe Sprite) nascido em março de 2014. Foto: Duke Lemur CenterA foto mostra Elphaba, um aiai bebê nascido em novembro de 2011. Essa foi a primeira vez que ele foi colocado no ninho, em fevereiro de 2012, pesando cerca de 650g. Foto: Duke Lemur CenterO sifaka de Coquerel é uma espécie ameaçada de lemuroides. Eles podem saltar 10 metros em um único salto, como demonstra a fêmea Drusilla nesta foto. Foto: Duke Lemur Center

2010: Cientistas dizem ter descoberto novo lêmure em Madagascar

Os visitantes podem baixar e conhecer os dados de cerca de 3,6 mil animais, a maior e mais diversa coleção de lêmures fora de Madagascar, segundo o centro. Acesse a base de dados neste link: http://datadryad.org/resource/doi:10.5061/dryad.fj974.

As informações cobrem todos os estágios da vida dos lêmures, do nascimento à velhice. Além de lemuroides, a coleção também contempla lóris e gálagos - todos da família Strepsirrhini e que antecedem os macacos e os símios. Vários deles estão ameaçados de extinção.

O centro promove a pesquisa científica, a conservação e a disseminação de informação sobre essas espécies, na esperança de que o compartilhamento de dados beneficie os animais em cativeiro e proteja os que vivem na natureza.

Leia tudo sobre: primataslemuresacervopesquisaeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas