Universidade de Duke abre acervo de sua maior base de dados sobre lêmures e outras espécies que antecederam o macaco

BBC

O centro de pesquisas sobre lêmures da Universidade de Duke, nos EUA, disponibilizou na internet uma base de dados de 48 anos sobre a vida de milhares destes primatas em risco de extinção.

2013: Cientistas descobrem que lêmures cavam tocas no solo para hibernar

2010: Cientistas dizem ter descoberto novo lêmure em Madagascar

Os visitantes podem baixar e conhecer os dados de cerca de 3,6 mil animais, a maior e mais diversa coleção de lêmures fora de Madagascar, segundo o centro. Acesse a base de dados neste link: http://datadryad.org/resource/doi:10.5061/dryad.fj974 .

As informações cobrem todos os estágios da vida dos lêmures, do nascimento à velhice. Além de lemuroides, a coleção também contempla lóris e gálagos - todos da família Strepsirrhini e que antecedem os macacos e os símios. Vários deles estão ameaçados de extinção.

O centro promove a pesquisa científica, a conservação e a disseminação de informação sobre essas espécies, na esperança de que o compartilhamento de dados beneficie os animais em cativeiro e proteja os que vivem na natureza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.