'São mais inteligentes do que se pensa', diz cientista que criou teste para cães

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Autor de livro que será lançado no Brasil em novembro, Brian Hare diz que cães usam humanos como 'ferramenta'

BBC

BBC
Cientista Brian Hare passou 18 anos estudando o comportamento canino

Com a experiência de 18 anos dedicados ao estudo do comportamento canino, o antropólogo americano Brian Hare garante a quem tem um cachorro: seu mascote é mais esperto do que você imagina.

Conheça a nova home do Último Segundo

Segundo Hare, outros animais podem até ser mais inteligentes, mas nenhum consegue interpretar os gestos humanos e usar isso a seu favor da maneira que os cães fazem. "Quando você os compara com animais como chimpanzés ou lobos, os cães são mestres em solucionar problemas usando a ajuda dos humanos", disse o especialista em psicologia canina à BBC Brasil.

"Essencialmente, eles nos usam como ferramentas em diversos contextos."

Hare afirma que essa inteligência social mais apurada faz dos cães os mamíferos mais bem-sucedidos do planeta – depois dos humanos. Para aqueles que querem testar a inteligência de seus cães, Hare criou no início deste ano o site Dognition, que também fornece dados para estudos científicos.

Arqueologia: Descoberto ossos de cachorro de 9.400 anos

Em 'experimento': Nutricionista se alimenta de comida de cachorro

Os testes, em formato de jogos, têm duração de até 30 minutos e identificam habilidades como memória, empatia, raciocínio e comunicação. O objetivo não é descobrir o QI do cão, e sim seu tipo de comportamento. Em um dos testes (descrito abaixo), por exemplo, uma experiência simples com dois copos revela se o cão toma decisões baseadas na memória ou na empatia com o dono.

Sobrevivência do mais amigável

Além de permitir que os donos aprendam mais sobre seus cães, o site, que cobra pelos testes, é um imenso banco de dados para as pesquisas de Hare, que comanda o Centro de Cognição Canina na Universidade de Duke, na Carolina do Norte, onde é professor.

O cientista começou a estudar o comportamento dos animais na época da faculdade, com a ajuda do cão da família, Oreo. Ele comprovou, por meio de testes de memória e raciocínio, que Oreo tinha o tipo de inteligência social que permitia interpretar gestos humanos, ao contrário de chimpanzés ou lobos.

Vídeo: Filhote de cachorro rejeitado é adotado por gata siamesa; assista

Desenvolvimento: Estudo explica por que cães e lobos são tão diferentes

De acordo com Hare, a inteligência social dos cães é resultado do convívio com humanos, iniciado quando seus ancestrais, os lobos, começaram a se aproximar de áreas habitadas.

O antropólogo diz que a seleção natural teria favorecido os lobos mais amigáveis, que souberam decifrar melhor as intenções dos humanos e perceberam as vantagens de se aproximar deles para sobreviver.

"Muitas das habilidades sociais que amamos nos nossos cães são resultado da domesticação. Mas isso não quer dizer, necessariamente, que os humanos decidiram criar cachorros. Há indícios de que provavelmente grupos de lobos nos escolheram e acidentalmente se autodomesticaram", afirma.

Crianças

Esse convívio aprimorou a capacidade dos cachorros de ler os sinais dos humanos e deduzir o que querem dizer, de maneira semelhante a de crianças pequenas. "De modo geral, crianças e cães são muito parecidos no modo como se comunicam, baseando-se na comunicação gestual", diz Hare.

Convívio: Cães conseguem entender as intenções de seus donos

História: Ter bichos de estimação fez parte da evolução humana

O cientista observa que, assim como as crianças, os cães aprendem palavras por meio de associações. Ele cita dois testes. Em um deles, os pais mostram um brinquedo vermelho e outro verde a uma criança. Pedem então o brinquedo "cromo", não o vermelho. Mesmo sem saber o significado da palavra, a maioria das crianças vai pegar o verde.

No outro teste, com um cão, um objeto estranho é colocado em meio a brinquedos com que o cachorro já está familiarizado. O dono então pede que o animal pegue um brinquedo usando uma palavra desconhecida. Segundo Hare, a maioria dos cães escolhe o objeto estranho.

Livro

Muitas das descobertas de Hare estão relatadas no livro The Genius of Dogs, escrito em parceria com sua mulher, Vanessa Woods. O livro será lançado no Brasil em 14 de novembro com o título Seu Cachorro é um Gênio.

Estudo: Crânio de 33 mil anos seria de cão primitivo domesticado

Descoberta: Caverna revela registros antigos de animais domésticos

Hare diz que ainda há muito a aprender sobre os cães, e conta com os dados dos milhares de animais cadastrados no Dognition para avançar nas pesquisas.

Segundo o cientista, saber o tipo de inteligência de um cachorro ajuda a melhorar as formas de adestramento e a identificar animais com perfis adequados para determinadas tarefas, como detecção de bombas. Ao comparar os cães com outros animais, ele diz que a tarefa é difícil.

"Dizer qual animal é mais inteligente é um pouco como pensar em sua caixa de ferramentas, se seu martelo é uma ferramenta melhor que sua chave de fenda", afirma. "Cada ferramenta é destinada para uma tarefa diferente. Então é difícil dizer qual a melhor. Depende do tipo de tarefa."

Faça o teste com seu cão:

- Peça a um ajudante para segurar seu cão, de frente para você, a cerca de um metro e meio de distância

- Coloque dois copos no chão, de cabeça para baixo, um à sua esquerda e outro à direita

- Coloque comida embaixo de um dos copos

- Levante o copo com a comida escondida e mostre para o cão.

- Coloque o copo de volta, escondendo a comida

- Aponte para o copo que não tem comida

- Peça para seu ajudante soltar o cão

Se seu cão age mais por empatia, ele vai escolher o copo para o qual você está apontando Se ele toma suas decisões baseado na memória, vai escolher o copo com comida.

Leia tudo sobre: cãocachorrobrian hareinteligênciaanimal de estimaçãopet

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas