Nobel de Física 2013 vai para Peter Higgs e François Englert

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Prêmio foi concedido pela teoria da chamada "partícula de Deus" que explica como as partículas adquirem massa

O prêmio Nobel de Física 2013 foi concedido, na manhã desta terça-feira (8), para o escocês Peter Higgs, da Universidade de Edimburgo, e o François Englert, Universidade Livre de Bruxelas, por suas descobertas teóricas sobre como as partículas subatômicas adquirem massa. 

AP
François Englert (E)e Peter Higgs durante coletiva de imprensa em julho de 2012

Os dois cientistas eram favoritos para dividir o prêmio de 8 milhões de coroas suecas (1,25 milhão de dólares) desde que o trabalho teórico deles foi finalmente confirmado, em 2012,  por experimentos realizados no gigantesco colisor de partículas da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, conhecida como Cern.

Entenda: Perguntas e respostas sobre o Bóson de Higgs

De acordo com a real academia de Ciências da Suécia, o prêmio foi concedido “pela descoberta teórica do mecanismo que contribui para o nosso entendimento sobre a origem da massa de partículas subatômicas, e que recentemente foi confirmada por meio da descoberta da partícula fundamental prevista, pelas experiências ATLAS e CMS no LHC do CERN”.

A existência do bóson de Higgs, também chamado de "partícula de Deus", explica por que algumas partículas têm massa e outras não, uma etapa importante para entender a origem do Universo.

Leia mais:
Cientistas anunciam descoberta de possível Bóson de Higgs
É agradável ter razão de vez em quando, diz Peter Higgs
Confirmado: partícula descoberta no Cern em julho é o Bóson de Higgs

“Muito obrigado fico muito feliz", disse Englert, em entrevista por telefone durante o anúncio do prêmio, realizado em Estocolmo.   

Peter Higgs não foi contatado durante o anúncio. Staffan Normark, secretário permanente da Academia, disse ter tentado entrar em contato com Higgs nesta terça-feira, mas "em todos os números que tentamos, ele não respondeu".

O anúncio do prêmio este ano atrasou uma hora além do previsto, sendo feito apenas às 7h45 (Horário de Brasília), Porém Normark não quis dizer se foi o fato de Higgs não atender as ligações foi o motivo do atraso.

Mais tarde, em um comunicado publicado no site da Universidade de Edimburgo, Higgs comentou estar muito feliz com o prêmio. "Estou muito feliz por receber este prêmio e agradeço à Academia Real Sueca. Gostaria também de felicitar todos aqueles que contribuíram para a descoberta dessa nova partícula e também agradecer aos meus familiares, amigos e colegas pelo apoio. Espero que este reconhecimento da ciência fundamental ajude a aumentar a conscientização sobre o valor da pesquisa básica”, disse Petter Higgs em um comunicado publicado no site da Universidade de Edimburgo.

Polêmica: 

Satyendranath Bose e Abdus Salam, os heróis esquecidos do Bóson de Higgs

Durante o anúncio do prêmio, foi destacada a importância da formulação da teoria para o entendimento do Universo. “A teoria premiada é parte central do Modelo Padrão das partículas físicas, que descreve como o mundo é construído. De acordo com o Modelo Padrão, qualquer coisa - de flores e pessoas a estrelas e planetas - é constituída de alguns blocos de construção: partículas de matéria”, disse a real academia de ciência da Suécia. “Estas partículas são governadas por forças mediadas por partículas de força que fazem com que tudo funcione como deve ser”.

Há quase 50 anos

Em 1964, os Higgs e Englert propuseram a teoria de modo independente (Englert, juntamente com o seu colega já falecido Robert Brout). Quase 50 anos depois, com o trabalho de uma equipe formada por milhares de cientistas e uma imensidão de dados obtidos a partir da colisão de prótons foi possível provar a existência do bóson de Higgs.

O grande colisor de Hadrons (LHC), local que permitiu a confirmação da teoria, custou 10 bilhões de dólares e foi construído na fronteira da Suíça com a França.

Inicialmente, na teoria da física das partículas não existia o conceito de massa, porém se observava em laboratório que as partículas como os elétrons e prótons de um átomo tinham massa. Era, portanto, importante que se tivesse uma teoria que explicasse a geração de massas, como o mecanismo de Higgs.

Desde o começo da formulação desta teoria, na década de 1960, novas partículas foram descobertas, como os quark. A única partícula que faltava fechar este círculo de descobertas era o Bóson de Higgs.

De acordo com a teoria, no início do universo, as partículas subatômicas não tinham massa. Em algum momento da história do Universo após o Big-Bang, foi criado o chamado campo Higgs, e bósons de Higgs passaram a dar massa a estas partículas.

História: O intrincado mundo do Prêmio Nobel

Conforme o campo foi “ligado”, foi introduzida uma espécie de "arrasto" nestas partículas subatômicas (exceto nos fótons) ao redor e elas passaram a apresentar massa.

Semana de prêmios
Ontem foram premiados com o Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2013 os americanos James E. Rothman e Randy W. Schekman, além do alemão Thomas C. Südhof. Eles foram contemplados pelas descobertas que ajudam a compreender doenças neurológicas, desordens imunológicas e diabetes.

Amanhã (09) será anunciado o vencedor do prêmio de Química. Na quinta-feira (10) será a vez do anúncio do prêmio de Literatura e na sexta-feira (11), o Nobel da Paz.

Confira os vencedores do Nobel de 2012:

Nobel de Medicina 2012 vai para a descoberta de reprogramação de células
Nobel de Física 2012 vai para estudos de controle de partículas quânticas
Nobel de Química 2012 vai para estudos sobre receptores de célula
União Europeia leva o Prêmio Nobel da Paz de 2012

Veja a lista dos últimos premiados pelo Nobel de Física:

2012: Serge Haroche (França) e David Wineland (Estados Unidos)

2011: Saul Perlmutter e Adam Riess (Estados Unidos) e Brian Schmidt (Austrália/Estados Unidos)

2010: Andre Geim (Países-Baixos), Konstantin Novoselov (Rússia/Grã-Bretanha)

2009: Charles Kao (Estados Unidos/Grã-Bretanha), Willard Boyle (Estados Unidos/Canadá), George Smith (Estados Unidos)

2008: Yoichiro Nambu (Estados Unidos), Makoto Kobayashi e Toshihide Maskawa (Japão)

2007: Albert Fert (França) e Peter Grünberg (Alemanha)

2006: John C. Mather (Estados Unidos) e George F. Smoot (Estados Unidos)

2005: Roy J. Glauber (Estados Unidos), John L. Hall (Estados Unidos) e Theodor W. Hänsch (Alemanha)

2004: David J. Gross, H. David Politzer e Frank Wilczek (Estados Unidos)

2003: Alexei A. Abrikosov (Rússia/Estados Unidos), Vitaly Ginzburg (Rússia) e Antony J. Leggett (Grã-Bretanha/Estados Unidos)

2002: Raymond Davis Jr (Estados Unidos), Masatoshi Koshiba (Japão), e Riccardo Giacconi (Estados Unidos)

Leia tudo sobre: nobelnobel 2013física

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas