Módulo cargueiro parte rumo à Estação Espacial Internacional

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Cargueiro da Orbital Sciences é a segundo de empresa privada a voar para a ISS

Reuters

AP
Foguete Antares da Orbital Sciences é lançado com módulo cargueiro privado para a ISS

Um foguete não-tripulado da classe Antares foi lançado nesta quarta-feira de uma base no litoral da Virgínia, enviando uma cápsula cargueira para a Estação Espacial Internacional.

O foguete, com uma altura equivalente a 13 andares, decolou às 10h58 (11h58 em Brasília) do Porto Espacial Regional do Médio Atlântico, instalação estatal na ilha de Wallops.

Leia:
Nasa tenta descobrir se viagem espacial como em 'Star Trek' é possível
Vídeo: Astronauta faz cover de David Bowie no espaço
Viagem privada sem volta a Marte já tem mais de 100 mil inscritos

A nave de dois estágios, desenvolvida pela empresa Orbital Sciences Corp e fazendo seu segundo voo, deixou uma coluna de fumaça que era visível de Nova York à Carolina do Sul.

Na ponta do foguete viaja o novo módulo cargueiro Cygnus, também desenvolvido pela Orbital Sciences. Esse é uma das duas naves robóticas desenvolvidas em parceria com a Nasa para levar cargas à Estação depois da aposentadoria dos ônibus espaciais norte-americanos.

A cápsula deve chegar no domingo à Estação, um projeto multinacional de 100 bilhões de dólares, que paira 400 quilômetros acima da Terra.

"Este é um dia muito emocionante para nós", disse o vice-presidente-executivo da Orbital Sciences, Frank Culbertson, a jornalistas após o lançamento. "É difícil tirar um foguete de uma plataforma de lançamento, não importa quantas vezes você faça isso."

Outra empresa privada, a Space Exploration Technologies, que começou a trabalhar cerca de 18 meses antes da Orbital Sciences, já fez três viagens à Estação. 

Cápsula Dragon chega à Estação Espacial

A Nasa investiu 686 milhões de dólares na Orbital Sciences e na Space X e concedeu a essas empresas contratos num total de 3,5 bilhões de dólares para levar cargas à Estação.

Se tiver sucesso com a Cygnus, a Orbital Sciences pode receber mais encomendas da Nasa e atrair o interesse de clientes comerciais e científicos.

"Temos muito interesse de pessoas que estão esperando para terem certeza de que de fato tivermos sucesso, antes de fazerem uma encomenda definitiva", disse Culbertson.

As cápsulas Cygnus não foram projetadas para voltar à Terra. Como podem permanecer por longos períodos em órbita, a Orbital Science antevê missões secundárias depois que as cápsulas deixem a Estação, e também voos especiais para outros clientes além da Nasa.

O módulo leva cerca de 700 quilos de mantimentos, incluindo roupas e alimentos. Nesta quarta-feira, o foguete colocou a cápsula numa órbita a cerca de 274 quilômetros da Terra.

Ela então abriu suas asas com painéis solares, e nos próximos dias deve demonstrar sua capacidade de manobrar no espaço e se comunicar com a estação. Os técnicos esperam que no domingo o módulo chegue a cerca de 10 metros da Estação, onde os astronautas usarão um guindaste robótico para "pescá-la".

O módulo deve permanecer acoplado à estação até 22 de outubro, e dois dias depois disso deve abrir seus foguetes de frenagem para sair da órbita e cair de volta na atmosfera terrestre, consumindo-se no processo.

Leia tudo sobre: MUNDOCIENCIAFOGUETELANCAMENTO

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas