Ratos com toxoplasmose perdem medo de gatos mesmo depois de curados

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Estudo indica que infecção causa mudanças comportamentais permanentes no cérebro dos ratos

Atração perigosa: Mesmo depois de se livrarem do parasita da toxoplasmose,  ratos permanecem destemidos  diante de gatos. Foto: Wendy Ingram and Adrienne GreeneA alteração de comportamento faz com que o rato se torne uma presa fácil. Foto: Wendy Ingram and Adrienne GreeneEstudo mostrou que infecção por toxoplasmose tem consequências permanentes. Foto: Wendy Ingram and Adrienne Greene

Ratos perdem a noção do perigo quando infectados pelo parasita da toxoplasmose, deixando de lado o instintivo medo de gatos. Um estudo feito na Universidade da Califórnia e publicado no periódico PLOS ONE mostrou ainda que os instintos permanecem alterados mesmo depois de roedores se livrarem completamente do parasita Toxoplasma gondii. O destemor representa um perigo para os ratos que se tornam presas fáceis.

Estudos prévios já haviam apontavam que ratos perdiam medo de gatos por conta dos cistos da toxoplasmose entre as células cerebrais, mas esta é a primeira vez que se comprova que o destemor permanece mesmo quando os ratos já estão livres do parasita.

O Toxoplasma gondii ativa uma região cerebral responsável pela atração sexual, fazendo com que rato confunda o odor da urina do gato com o de uma fêmea sexualmente receptiva.

A autora do estudo, Wendy Ingram, disse que a importância da nova pesquisa está em mostrar que mesmo passageira, a infecção pode resultar em uma mudança permanente na biologia do animal afetado. Segundo ela, a descoberta pode ser um avanço para a medicina que pesquisa doenças infecciosas.

A alteração de comportamento dos ratos serve como um trunfo para o parasita, pois o T. gondii  só se reproduz no intestino dos gatos. Quando o parasita infecta o rato, este se torna uma presa fácil, e acaba sendo devorado pelo gato. Desta forma, o parasita se reproduz.

Em roedores ou em humanos, ele se infiltra no sistema nervoso central e os cistos crescem dentro dos neurônios, podendo permanecer ali por toda a vida.

Leia também: Parasita faz ratos infectados perderem medo de gatos, diz estudo

Leia tudo sobre: ciênciatoxoplasmoseratos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas