Sensibilidade masculina está escrita nos genes

Por The New York Times |

compartilhe

Tamanho do texto

Estudo diz que gene responsável por atributos masculinos é muito vulnerável a fatores ambientais

AP
Estudo diz que gene responsável por atributos masculino é vulnerável a fatores ambientais

Certos genes agem como se fossem interruptores mestre do desenvolvimento humano ao garantir que nasçamos com atributos semelhantes (uma cabeça, dois pulmões e dez dedos) em quase todos os casos. Esses genes tendem a serem altamente estáveis e resistentes a fatores ambientais.

Leia também:
Estudo diz que homens de dedos anulares longos são mais atraentes

Testosterona pode induzir atitudes egocêntricas

Lágrimas femininas diminuem excitação masculina, diz estudo

Homens e mulheres enxergam de maneiras diferentes, diz estudo

Entretanto, um estudo descobriu que o gene responsável pela ativação do desenvolvimento de atributos masculinos é instável, o que torna a rede neural do gênero masculino muito inconsistente.

O gene SRY do cromossomo Y é responsável pela ativação do crescimento dos órgãos sexuais masculinos em embriões humanos (todos os seres humanos são a princípio mulheres em essência). Para estudar o gene, pesquisadores da Universidade Case Western Reserve analisaram famílias cujas filhas tinham herdado um cromossomo Y – em tais casos raros, o SRY não ativa o crescimento dos órgãos sexuais e o embrião com herança genética masculina se torna uma mulher estéril.

Leia também:

Mulheres conseguem saber se homem trai só de olhar, diz estudo

Ao perder DNA, homem ganha cérebro maior e pênis mais simples

Eles descobriram que o SRY é muito vulnerável a fatores ambientais, o que faz com que interrupções mínimas causem alterações significativas no desenvolvimento dos atributos sexuais masculinos. Isso resulta na grande variedade de atributos masculinos relacionados com a testosterona, como massa muscular, agressividade e desenvolvimento da genitália, de acordo com o estudo publicado no periódico The Proceedings of the National Academy of Sciences.

Essa variedade provavelmente tem uma finalidade evolutiva, afirmou o Dr. Michael Weiss, um dos autores do estudo.

"Esta variação tênue é o que está por trás da diferença na liberação de testosterona no útero", afirmou Weiss, o que gera uma grande variedade de estilos e aptidões de gênero, os quais podem ajudar a garantir a sobrevivência de uma comunidade, afirmou Weiss.

Leia tudo sobre: testosteronagenéticacromossomo Yhomens

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas