Atividade cerebral explica 'visões do além' durante morte clínica

Por The New York Times | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Experimento em ratos mostra que cérebro fica bastante ativos no início da morte, o que explicaria alucinações

Getty Images
Alucinações durante morte clínica, como a de um túnel, podem ser explicadas pela atividade cerebral intensa

No aumento da atividade cerebral de ratos que estão prestes a morrer talvez esteja uma explicação para as visões realistas que alguns seres humanos têm ao sofrer paradas cardíacas, afirmam pesquisadores.

Aproximadamente 20 por cento dos pacientes dizem ter tido alucinações inteligíveis, semelhantes à vida real, após sua morte clínica, que muitas vezes são descritas como visões da vida após a morte ou outras histórias sobrenaturais. Em busca de uma explicação física para o fenômeno, cientistas da Universidade de Michigan induziram paradas cardíacas em nove ratos e monitoraram sua atividade cerebral usando um eletroencefalograma.

Teste: Você consegue prever o futuro?

Passados trinta segundos da morte clínica, os ratos apresentavam ondas cerebrais de amplitude baixa, embora a frequência estivesse muito alta, o que indicava que seus cérebros estavam bastante ativos. A atividade associada ao processamento de informações era oito vezes superior à geralmente verificada durante o estado consciente e alerta, e a atividade associada ao processamento sensorial era cinco vezes superior.

Stephen Hawking: “vida após a morte é um conto de fadas”

"Quando o oxigênio e a glicose são retirados ocorre um aumento da atividade, ao menos temporário", afirmou Jimo Borjigin, professor adjunto de fisiologia da Universidade de Michigan e principal autor do estudo, que foi publicado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.

Tipo de pensamento influencia crença religiosa

O estudo contradiz a opinião geralmente aceita dos médicos de que existe pouca ou nenhuma atividade após a morte clínica, afirmou Borjigin. Ele acrescentou que as descobertas talvez ajudem a "esclarecer por que durante esse estado alguns indivíduos conseguem de fato se lembrar de conversas que aconteceram dentro da sala de cirurgia", mesmo usando protetores auriculares. "Se sua percepção está quintuplicada é possível que ouçam essas conversas."

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas