Dromedários podem ser transmissores de vírus mortal, diz pesquisa

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Cepa do coronavírus Mers está circulando entre a espécie, fazendo do animal o possível foco de transmissão

BBC


Jason Edwar­ds/ Natio­nal Geogr­aphic
Bando de drome­dário­s selva­gens: espécie pode estar transmitindo o Mers

Dromedários podem ser os responsáveis por transmitir aos humanos um vírus mortal que surgiu no ano passado, aponta uma nova pesquisa.

Testes indicaram que o vírus Mers (sigla em inglês para Síndrome Respiratória Coronavírus do Oriente Médio), ou uma cepa muita parecida, tem circulado nesses animais, transformando-os em transmissores em potencial da doença.

O estudo foi publicado no periódico científico Lancet Infectious Diseases.

Os cientistas dizem, por outro lado, que são necessárias mais pesquisas para confirmar as descobertas.

Leia também:
Coronavírus Mers tem potencial para causar pandemia, diz OMS
Cientistas buscam novas ferramentas para caçar novos vírus

O coronavírus Mers surgiu no Oriente Médio no ano passado. Até agora, foram confirmados 94 casos de infecção e 46 mortes.

Ainda que haja registros de transmissão do vírus entre humanos, na maior parte dos casos a contaminação se dá pelo contato com um animal, acreditam os cientistas. Mas, até agora, os pesquisadores ainda não conseguiram descobrir em qual deles o primeiro foco surgiu.

Experimento

Para conduzir a pesquisa, uma equipe internacional averiguou amostras de sangue de animais voltados para a pecuária, como camelos, ovelhas, cabras e vacas, de diferentes países.

Nas cobaias, eles testaram anticorpos – proteínas produzidas para combater infecções – que podem permanecer no sangue mesmo depois de o vírus ter deixado o organismo hospedeiro.

"Nós descobrimos os anticorpos que acreditamos ser específicos do coronavírus Mers ou de um vírus muito similar nos dromedários", afirmou Marion Koopmans, do Instituto Nacional de Saúde Pública da Holanda.

A equipe descobriu níveis baixos de anticorpos em 15 dos 105 dromedários das Ilhas Canárias e altos níveis em cada um dos 50 dromedários testados em Omã, sugerindo que o vírus circulou nesse país mais recentemente.

Nenhum caso de infecção pelo coronavírus Mers em humanos foi registrado em Omã ou nas Ilhas Canárias.

Os cientistas dizem agora que precisam testar amostras mais amplas para saber se a infecção está presente em mais lugares.

O experimento incluiria análises de dromedários na Arábia Saudita, país que concentra hoje a maior número de casos de infectados.

Prioridade

Segundo Koopmans, "trata-se de um indício, não de uma prova definitiva".

Para o professor Paul Kellam, da Wellcome Trust Sanger Institute em Cambridge e da Universidade College London, a pesquisa ajuda a estreitar a busca pela fonte do vírus.

Mas ele disse à BBC que "a prova definitiva só se dará a partir do isolamento do vírus de um animal infectado ou do sequenciamento do genoma do animal infectado".

Autoridades de saúde dizem que a confirmação de onde o vírus surgiu é uma prioridade.

Estatísticas indicam que o vírus não é contagioso o bastante para representar uma ameaça global e ainda se encontra em um patamar em que sua transmissão pode ser interrompida.

Leia tudo sobre: dromedáriosmersvírus

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas