Terremotos distantes estão associados a tremores próximos a poços de petróleo

Por The New York Times |

compartilhe

Tamanho do texto

Estudo dos Estados Unidos sugere ligação entre atividade petrolífera e atividade sísmica

AP
Terremoto no Chile em 2010: ligação com perfuração de poços de petróleo

Um novo estudo sugere que existe uma associação entre os terremotos ocorridos próximos a poços de petróleo de injeção dos estados de Oklahoma, Texas e Colorado e terremotos distantes de magnitude 8 ou superior.

A injeção de água residual proveniente da produção de óleo e gás em poços profundos é conhecida pelos cientistas há anos como causadora de terremotos. Os cientistas do Observatório Terrestre Lamont-Doherty, da Universidade Columbia, descobriram agora que a passagem de ondas sísmicas de terremotos bem maiores e distantes foi o que de fato desencadeou alguns desses terremotos.

Em um estudo publicado no periódico Science, Nicholas J. van der Elst e seus colegas mostraram uma associação entre terremotos ocorridos próximos a poços de injeção dos estados do Colorado, Oklahoma e Texas e terremotos distantes de magnitude 8 ou superior, incluindo os que atingiram o Chile em 2010 e o Japão em 2011. A maioria dos tremores desencadeados pelas ondas sísmicas foi de pequena proporção.

Quando injetada em formações rochosas, a água residual gera um aumento de pressão, que faz com que falhas inativas há bastante tempo voltem a deslizar, causando o abalo do terreno. Van der Elst sugere que tensões sísmicas pequenas, ocasionadas pela passagem de ondas sísmicas, comprimiram de fato as rochas de áreas de injeção, aumentando a pressão próxima ao ponto de ruptura, o que provocou o deslizamento das falhas e o abalo do terreno.

Algumas dessas áreas foram atingidas por terremotos ainda maiores meses depois. Particularmente, na cidade de Prague, Oklahoma, ocorreu um terremoto de 5,7 em 2011 - outra indicação de que as falhas tinham atingido o ponto de ruptura.

Nas áreas estudadas, as injeções vinham ocorrendo há anos ou mesmo décadas. Alguns poços de injeção mais recentes, incluindo um poço de Ohio, - que manipulava a água residual derivada do processo de produção de gás conhecido como fratura hidráulica - foram atingidos por terremotos de menor escala. Contudo, os pesquisadores não descobriram evidências de que esses terremotos tenham sido desencadeados por ondas sísmicas vindas de longe. Como esses locais de injeção são mais recentes, as tensões nas formações rochosas pareceriam maiores e uma tensão extra de pequenas proporções gerada pela passagem de ondas sísmicas teria pouco impacto.

Leia tudo sobre: geologiapoços de petróleoterremotos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas