Cientistas pesquisam uso de choques para estancar sangramentos

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Em ratos, o uso de choques em artérias feridas estanca hemorragias em poucos segundos, afirma especialista

BBC

Cientistas do setor de pesquisas médicas do Exército israelense, em conjunto com estudiosos de universidades em Israel e nos Estados Unidos, estão desenvolvendo um novo método para estancar sangramentos que se baseia no uso de choques elétricos de alta tensão.

AFP
Choques poderiam estancar sangramento e salvar vidas de soldados feridos

Acredita-se que os choques, aplicados na pessoa ferida, poderiam estancar sangramentos graves em segundos. Segundo o bioengenheiro Yossi Mandel, um dos autores da pesquisa, a técnica, ainda na fase de testes, pode salvar vidas de soldados no campo de batalha e revolucionar a medicina.

"Nosso método irá ajudar tanto os cirurgiões de fígado e de baço nos hospitais quanto enfermeiros militares em situações de guerra", disse Mandel, que dirigiu o setor de pesquisas médicas do Exército israelense durante sete anos.

O experimento, feito por enquanto em ratos, diminui drasticamente o sangramento de artérias, veias e de orgãos internos com tendência a hemorragias graves, como o fígado e o baço, por meio de choques elétricos extremamente rápidos, medidos em unidades de microssegundos (0,000001 segundo) a milissegundos (0,001 segundo).

Leia também: toma anticoagulante? Veja como prevenir sangramentos

"Quando se corta a artéria da virilha do rato, ele pode morrer em alguns minutos. Mas a aplicação dos choques estanca o sangramento em poucos segundos", afirmou Mandel, acrescentando que a corrente elétrica também pode estimular o processo de coagulação.

Vácuo na medicina

Mandel explicou que os choques elétricos devem ser aplicados por meio de uma agulha introduzida próximo à região do sangramento, "do lado externo da veia ou da artéria".

"O método que estamos desenvolvendo vem preencher um vácuo na medicina, é simples e creio que também será barato".

Ainda segundo o pesquisador, desde que foi desenvolvido o torniquete, soldados quase já não morrem de sangramento nos braços ou nas pernas. No entanto, sangramentos no fígado e em regiões delicadas, como as axilas, são mais difíceis de estancar e requerem outras técnicas, diz Mendel.

A próxima fase do estudo terá porcos como cobaias.

Leia também: torniquete salvou muitas vidas no atentado de Boston

Leia tudo sobre: ciênciahemorragiapesquisaexperimento

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas