Galáxia Segue 2 é um grupo de estrelas unidas por um aglomerado de matéria escura até então desconhecido

Foto mostra distribuição de matéria escura ao redor da Via Láctea, com a galáxia Segue 2 no destaque
Garrison-Kimmel e Bullock (UCI)
Foto mostra distribuição de matéria escura ao redor da Via Láctea, com a galáxia Segue 2 no destaque

Uma escura e pequena galáxia na periferia da Via Láctea pode ser a menor conhecida no universo, dizem os astrônomos.

Conhecida como Segue 2, termo na língua inglesa, a galáxia anã é composta de apenas 1.000 estrelas unidas por um aglomerado de matéria escura. (Em comparação, a Via Láctea contém pelo menos 100 bilhões de estrelas.)

"Encontrar uma galáxia tão pequena é como encontrar um elefante menor do que um rato", disse James Bullock, cosmologista na Universidade da Califórnia, Irvine, e um dos autores de um artigo sobre a Segue 2 publicado no periódico The Astrophysical Journal .

A Segue 2, descoberta pela primeira vez em 2009 como parte do Sloan Digital Sky Survey (Pesquisa Sloan Digital do Céu, em tradução literal) é importante por outros motivos além de seu tamanho.

Leia também:
Cientistas encontram indícios de matéria escura no espaço
Telescópio gelado entra na caça pela matéria escura
Estudo das estrelas aumenta mistério sobre matéria escura

"Por cerca de 15 anos temos imaginado que galáxias como a Via Láctea devem ser cercadas por milhares e milhares de aglomerados de matéria escura de baixa massa", como a do centro da Segue 2, disse Bullock. Até agora, mesmo os menores "aglomerados" detectados pelos cientistas possuíam uma alta massa – pelo menos um milhão de vezes a massa do sol.

Com não mais de 100 mil vezes a massa do sol, a Segue 2 "poderia ser o primeiro desses aglomerados detectados que prevíamos", disse Bullock.

Até agora, a incapacidade de encontrar esses aglomerados tinha intrigado os astrônomos. "Isso sugeria que havia alguma falha em nossa teoria de como o universo funciona", disse Bullock, que fazia parte de uma equipe que usou os potentes telescópios do Observatório W. M. Keck, Havaí, para estudar a galáxia.

Com esta descoberta, segundo ele, há esperança de que "isso pode ser apenas a ponta do iceberg".

Veja mais imagens do espaço:




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.