Geleira na Antártida produz iceberg gigante

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Bloco de gelo de 720 km quadrados se desprendeu do Glaciar de Pine Island

BBC

BBC
Iceberg gigante levou dois anos para se desprender do glaciar

Um novo e enorme iceberg se formou na Antártida, ao se desprender do Glaciar de Pine Island (PIG, na sigla em inglês) ─ o maior e mais rápido do pólo sul.

O bloco tem uma área de cerca de 720 quilômetros quadrados, que corresponde a quase oito vezes o tamanho da ilha de Manhattan, em Nova York.

Cientistas estavam esperando que a geleira "desse à luz" desde outubro de 2011, quando observaram pela primeira vez uma rachadura se abrindo em sua superfície.

Na segunda-feira, eles obtiveram a confirmação de que a fissura se estendeu por toda a largura do glaciar.

Monitoramento

O satélite alemão TerraSAR-X observou a formação do iceberg. Ele carrega um radar que consegue distinguir a superfície do glaciar mesmo que a Antártida esteja em meio à escuridão do inverno.

Leia:
Estudo diz que aquecimento global gera mais bancos de gelo na Antártida
Iceberg gigante se desprende de geleira na Groenlândia
Russos dizem ter achado nova forma de vida sob gelo da Antártida

O iceberg que se desprendeu era parte da plataforma de gelo do PIG ─ o segmento dianteiro do glaciar, que ultrapassa a linha de costa e flutua no oceano. A linha de costa é a divisão entre a plataforma de gelo, que fica no mar, e a parte da geleira que fica no continente.

Pesquisadores alemães recebem imagens do TerraSAR-X a cada três dias, na tentativa de compreender melhor os processos que empurram a geleira para frente e a tornam mais propensa a fraturas.

Isso pode ajudá-los a melhorar os modelos computacionais usados para prever mudanças futuras na Antártida.

"Estávamos muito entusiasmados para ver como a fissura se propagaria", disse a professora Angelika Humbert, glaciologista (especialista em geleiras e glaciares) do Instituto Alfred Wegener, à BBC.

Icebergs enormes se separam de plataformas de gelo a cada período de 6 a 10 anos. Outros icebergs notáveis se formaram em 2007 e 2001.

É um processo natural, que os cientistas dizem não se relacionar diretamente com as mudanças climáticas que também afetam essa parte da cobertura de gelo do oeste da Antártida.

Medições de satélite e de partículas aéreas registraram uma redução da espessura e um aumento na velocidade do Glaciar de Pine Island nas últimas décadas.

Os resultados foram atribuídos em parte às águas mais quentes que passam por debaixo e derretem a plataforma de gelo.

Redução rápida

Nasa
Expedição aérea da Nasa descobriu a rachadura na geleira

O comportamento do glaciar significa que ele está agora sob o escrutínio dos cientistas, porque escoa cerca de 10% de todo o gelo do oeste do continente.

"O PIG é o glaciar que encolhe mais rapidamente no planeta", disse o professor David Vaughan, do British Antarctic Survey, órgão que opera as estações de pesquisa britânicas no continente.

"Ele está perdendo mais gelo que qualquer outro no planeta e contribui para o aumento do nível do mais mais rápido do que qualquer outro no planeta. Vale a pena estudá-lo."

Quando a fratura que se propagava por toda a largura de 30 quilômetros do PIG foi fotografada pela primeira vez, em 2011, por uma expedição da Nasa, muitos assumiram que a formação do iceberg aconteceria rapidamente.

No entanto, quase dois anos se passaram até que o gigantesco bloco de gelo se desprendesse.

O interessante agora, segundo Angelika Humbert, será descobrir quanto tempo demora para que o iceberg saia da Baía que está diante dele.

O maior iceberg já registrado era um bloco que ficou conhecido como B-15.

Quando ele se desprendeu da plataforma de gelo Ross ─ a maior do mundo, na Antártida ─, em 2011, tinha uma área de cerca de 11 mil quilômetros quadrados em sua superfície. O bloco demorou anos para derreter.

Leia tudo sobre: antártidageleira

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas