Nasa quer ajuda de astrônomos amadores para monitorar asteroides

Por Reuters * |

compartilhe

Tamanho do texto

Esforço em conjunto quer identificar ameaças de asteroides como o que explodiu sobre a Rússia central em fevereiro deste ano

Reuters

A Nasa pediu nesta terça-feira a astrônomos amadoores e a outros cientistas-cidadãos que ajudem a monitorar asteroides capazes de causar estragos na Terra.

Divulgação / Nasa
Gigante: imagem do asteróide Vesta, obtida pela sonda Dawn da NASA

A agência espacial dos Estados Unidos já identificou 95% dos chamados NEOs ("objetos próximos da Terra", na sigla em inglês), que têm um diâmetro de pelo menos 1 quilômetro.

Leia: Cientistas tentam encontrar sinais de vida em 86 planetas

Para se ter uma ideia, os cientistas calculam que esse era o tamanho do rochedo espacial que teria extinguido os dinossauros há cerca de 65 milhões de anos.

Agora, a Nasa espera trabalhar com indivíduos, órgãos públicos, parceiros internacionais e acadêmicos para "encontrar todas as ameaças de asteroides para a população humana e saber o que fazer com eles".

Entre 50 e 100 astrônomos amadores já participam da chamada análise de curva da luz das rochas espaciais, fazendo repetidas imagens de corpos astronômicos para ajudar a determinar suas características, segundo Jason Kessler, executivo do programa que a Nasa batizou de Grande Desafio do Asteroide.

"Certamente vamos precisar de muito mais ajuda com isso, à medida que nossa taxa de detecção crescer", disse Kessler por telefone.

Mesmo rochas espaciais menores podem ser perigosas, inclusive se não atingirem a Terra diretamente. Em fevereiro, um meteorito com cerca de 17 metros de diâmetro explodiu sobre a Rússia central, estilhaçando vidraças, danificando prédios e ferindo 1.200 pessoas.

Entenda: Por que o meteorito causou tantos estragos na Rússia

Neste mês, um asteroide do tamanho de uma caminhonete passou raspando pela Terra, a um quarto da distância que separa o planeta da Lua. Sua maior aproximação foi a 105 mil quilômetros, ao sul da Tasmânia (Austrália).

Estima-se que menos de 10 por cento dos NEOs com diâmetro inferior a 300 metros já tenham sido detectados, e menos de 1% dos objetos com menos de 100 metros, segundo a Nasa.

Kessler disse que o objetivo da iniciativa é detectar todos os NEOs com pelo menos 30 metros de diâmetro. A agência espacial também anunciou planos para capturar um pequeno asteroide, redirecioná-lo para uma órbita estável e enviar humanos para estudá-lo a partir de 2021.

* Por Deborah Zabarenko

Leia mais notícias de ciência

Leia tudo sobre: MUNDOCIENCIANASAASTEROIDES

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas