Asteroide do tamanho de caminhão pequeno passou pela Terra, diz Nasa

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Objeto celestial 2013 LR6, descoberto um dia antes de sua aproximação, passou pela Terra em distância quatro vez mais próxima que a da Lua

Reuters

Um asteroide do tamanho de um pequeno caminhão passou pela Terra em distância quatro vezes mais próxima que a Lua neste sábado, o último de uma sequência de objetos celestiais que passaram pelo planeta, aumentando a consciência sobre impactos potencialmente perigosos no planeta.

QE2: Asteroide com lua própria passa perto da Terra sem provocar perigo

Leia também: Saiba o que fazer em caso de meteoro ou asteroide

Segundo a Agência Espacial dos EUA (Nasa, na sigla em inglês) o asteroide 2013 LR6 foi descoberto cerca de um dia antes de sua aproximação à Terra, que aconteceu à 1h42 (horário de Brasília) deste sábado a cerca de 105 mil quilômetros sobre o Oceano Antártico, ao sul da Tasmânia, na Austrália. O asteroide de 10 metros de largura não representou nenhuma ameaça.

Há uma semana, o enorme asteroide QE2, de 2,7 km de largura, completo com sua própria lua a reboque, passou a 5,8 milhões de quilômetros da Terra.

Em 15 de fevereiro, um pequeno asteroide explodiu na atmosfera sobre Chelyabinsk, na Rússia, e deixou mais de 1,5 mil feridos por conta de destroços e pedaços de vidro. No mesmo dia, um asteroide não relacionado passou a cerca de 27,7 mil km da Terra, mais perto do que os satélites de comunicação que cercam o planeta.

"Teoricamente, há uma possibilidade de colisão entre asteroides e o planeta Terra", disse o astrônomo do projeto Telescópio Virtual, Gianluca Masi, durante uma transmissão do Google+ que mostrou imagens ao vivo da aproximação de um asteroide.

Sonda WISE: Nasa calcula que 4.700 asteroides podem ser perigosos para a Terra

A Nasa diz que já encontrou cerca de 95% dos asteroides maiores, aqueles com diâmetro de 1 km ou mais, com órbitas que os levam relativamente perto da Terra.

Um objeto desse tamanho atingiu o planeta há cerca de 65 milhões de anos onde hoje é Península de Yucatán, no México, provocando uma mudança climática global que se acredita ser responsável pela extinção dos dinossauros e muitas outras formas de vida na Terra.

A agência espacial dos EUA e outras organizações de pesquisa, além de empresas privadas, estão trabalhando no rastreamento de objetos menores que voam perto da Terra.

Leia tudo sobre: asteroidenasa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas