Sapo recém-descoberto em Israel é considerado 'fóssil vivo'

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Raro anfíbio, não visto em 60 anos, pertence a grupo extinto a 15 mil anos

BBC

Mickey Samuni-Blank/WikiCommons
Testes indicam que o sapo pertence a um grupo de anfíbios extinto há 15 mil anos

Uma rara espécie de sapo recentemente redescoberta após ser declarada extinta acaba de ser reclassificada como um "fóssil vivo".

O sapo pintado de Hula, encontrado em Israel, ficou desaparecido durante quase 60 anos, mas um exemplar da espécie foi encontrado em 2011 em uma região pantanosa.

Exames indicaram que o sapo pertence a um grupo de anfíbios que se extinguiu há 15 mil anos.

"Foi uma grande descoberta - (o sapo) é como um ídolo em Israel", diz à BBC o professor Sarig Gafny, do israelense Ruppin Academic Center. "Daí descobrimos que o animal era um fóssil vivo. Foi incrível."

Leia mais:
Cientistas encontram enguia considerada 'fóssil vivo'
Pesquisa desvenda genoma de peixe 'pré-histórico'

Chama-se de "fóssil vivo" um exemplar vivo de uma espécie que se acreditava estar extinta, e que geralmente - mas não necessariamente - era conhecida apenas através de fósseis.

A pesquisa sobre o sapo foi publicada no periódico Nature Communications.

Mesmo antes de ter sido declarado extinto, em 1996, o sapo pintado de Hula era uma criatura esquiva. Apesar de suas características bem peculiares - uma barriga com pintas pretas e brancas -, apenas três exemplares adultos da espécie haviam sido vistos.

Testes genéticos
Quando o vale Hula, em Israel, foi drenado, nos anos 1950, a casa pantanosa dos sapos foi destruída. Cientistas pensaram que a espécie estava acabada.

Mas, dois anos atrás, um sapo pintado foi encontrado por um guarda florestal. Desde então, outros 13 exemplares foram descobertos.

Com isso, os cientistas puderam estudar a espécie detalhadamente.

O sapo havia sido classificado como um membro do grupo anfíbio Discoglossus, mas testes genéticos e tomografias indicaram que, na verdade, ele pertence ao grupo Latonia - comuns na Europa durante milhões de anos, mas em geral morreram há 15 mil anos.

"Ninguém teve a chance de ver um (sapo) Latonia porque ele foi extinto na Europa. A única forma de vê-los era por meio de fósseis", explicou Gafny.

"Mas todas as características observadas no sapo pintado de Hula (combinam com) as do fóssil da Latonia, e não do Discoglossus. Portanto, trata-se de um fóssil vivo."

Os pesquisadores dizem que o sapo foi "surpreendentemente resiliente", mas acrescentam que é muito importante agora assegurar sua sobrevivência.

Eles afirmam que esforços para levar a água de volta ao vale Hula ajudariam a assegurar um habitat adequado para a espécie.

Leia tudo sobre: sapoanfíbioanimaisconservaçãofóssil vivo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas