Russos encontram carcaça de mamute com sangue líquido

Por AP | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Descoberta pode levar à clonagem da espécie da Era do Gelo

AP

AP
Carcaça de mamute encontrada na costa siberiana, que continha sangue em estado líquido

Uma carcaça de mamute lanoso, contendo sangue em estado líquido foi encontrada na semana passada em uma ilha remota no Ártico, alimentando esperanças de clonar o animal da Era do Gelo.

Os restos do mamute estavam em bom estado porque a parte inferior do corpo estava enterrada em gelo puro, explicou Semyon Grigoryev, chefe do Museu do Mamute, que liderou a expedição às Ilhas Lyakhovsky, na costa da Sibéria.

"O sangue é bem escuro e foi encontrado nas cavidades de gelo abaixo do abdome do animal. Quando quebramos estas cavidades, o sangue começou a jorrar", descreveu em um comunicado divulgado pela Universidade Federal do Nordeste em Yakutsk, que mandou a equipe à Sibéria.

Leia mais:
Menino de 11 anos descobre restos de mamute no norte da Rússia
Polêmico cientista sul-coreano quer clonar um mamute
Extinção do mamute lanoso se deu por fatores humanos e naturais

Mamutes lanosos foram extintos há dez mil anos, mas os cientistas acreditam que pequenos grupos da espécie ainda sobreviveram por mais tempo no Alasca e nas ilhas da costa siberiana.

O genoma da espécie já foi decodificado a partir de pelos, e alguns pesquisadores acreditam que é possível cloná-la se células vivas forem encontradas.

Veja o vídeo:


Grigoryev disse que a descoberta pode fornecer o material necessário para a clonagem. O sangue dos mamutes aparentemente não congelava em temperaturas extremas, mantendo o calor corporal dos animais.

A temperatura durante a escavação era de -7°C a -10°C.

Os cientistas coletaram amostras do sangue do mamute em tubos com preservantes, que foram enviados para Yakutsk a fim de investigar infecções potencialmente perigosas.

Os músculos da carcaça também estavam em condições perfeitas."Os fragmentos de tecido muscular encontrados no corpo têm uma cor vermelha natural de carne fresca," descreveu Grigoryev.

Medindo quatro metros de altura e pesando dez toneladas, os mamutes dominaram grandes áreas entre a Grã-Bretanha e a América do Norte, e foram extintos por causa das mudanças climáticas.

Leia tudo sobre: mamuteclonagempaleontologiaespécies extintas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas