Cern e descobridores do bóson de Higgs ganham prêmio Príncipe de Astúrias

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Em julho de 2012, quase 50 anos depois da publicação dos trabalhos de Higgs, Englert e Brout, o Cern confirmou a existência dessa partícula

Reuters

AFP
Ilustração mostra colisão de prótons medida pelo CMS na busca do bóson de Higgs

O físico britânico Peter Higgs e o belga François Englert, descobridores da partícula subatômica chamada bóson de Higgs --conhecida como "a partícula de Deus"-- ganharam nesta quarta-feira (29) o Prêmio Príncipe de Astúrias de Pesquisa Científica e Técnica, junto com a Organização Europeia de Pesquisa Nuclear (Cern).

Confirmado: partícula descoberta no Cern em julho é o Bóson de Higgs

Higgs e Englert formularam de forma independente, em 1964, a existência da partícula que confere massa a toda a matéria, razão que motiva seu apelido "divino".

O júri reunido na cidade espanhola de Oviedo destacou que os trabalhos publicados paralelamente por Englert com Robert Brout (morto em 2011) e por Higgs proporcionaram um elemento crucial para completar o Modelo Padrão da física das partículas, "a tabela periódica do mundo subatômico e suas regras, que explicam o funcionamento do universo".

Leia mais:
Cientistas anunciam descoberta de possível Bóson de Higgs
Cientistas comemoram descoberta de possível bóson de Higgs
Cientistas americanos encontram provas de que a ‘partícula de Deus’ existe
O que é o bóson de Higgs e como ele afeta a Física

Fabiola Gianotti, porta-voz do ATLAS, e Joe Incandela, porta-voz do CMS, examinam os resultados de seus experimentos durante seminário no Cern. Foto: APCientistas do Fermilab, nos EUA, aplaudem aplaudem enquanto assistem à transmissão dos resultados do Cern, na Suíça: anos de trabalho em busca do Bóson renderam frutos. Foto: Peter Wynn Thompson/The New York TimesParticipantes de seminário aplaudem anúncio de nova partícula subatômica que pode ser o bóson de Higgs. Foto: APGráfico mostra colisão de partículas no experimento CMS no Grande Colisor de Hádrons, na Suíça. Foto: AFPO físico Peter Higgs chega ao seminário onde anunciaram que foi descoberta uma partícula que pode ser a confirmação de sua teoria. Foto: APCentro de controle do Cern no início das operações do LHC. Foto: Fabrice Coffrini, Pool via The New York TimesMural pintado por Josef Kristofoletti do lado de fora do ATLAS mostra como seria a aparência de um Bóson de Higgs. Foto: APFoto de 2007 mostra o Grande Colisor de Hádrons. Foto: APeducação LHC. Foto: Getty ImagesLHC. Foto: APlhc. Foto: AFPCientistas comemoram o sucesso do primeiro experimento com o LHC, maior acelerador de partículas do mundo. Foto: APCom 27 km, o acelerador de partículas é uma estrutura circular construída a 100 metros de profundidade. Foto: Getty Images

Em julho de 2012, quase 50 anos depois da publicação dos trabalhos, o Cern confirmou a existência dessa partícula, graças a experiências feitas no seu acelerador de partículas LHC.

"O descobrimento do bóson de Higgs constitui um exemplo emblemático de como a Europa tem liderado um esforço coletivo para resolver um dos enigmas mais profundos da Física", acrescentou o júri.


Leia tudo sobre: bóson de higgspeter higgsprêmiocern

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas