Nos braços dos pais, a taxa de batimentos cardíacos das crianças diminui

Por The New York Times |

compartilhe

Tamanho do texto

Estudo com bebês e ratos mostra que reação de calma é quase instantânea e não é exclusiva do ser humano

Getty Images
Estudo mostrou que frequencia cardíaca de bebês abaixa no colo de um adulto, causando relaxamento

Novas mães aprendem rapidamente que os bebês se acalmam quando são carregados e balançados. Agora, pesquisadores dizem que essa reação tranquilizante é na verdade um conjunto coordenado de reações, envolvendo os sistemas nervoso, motor e cardíaco.

A Dra. Kumi O. Kuroda, neurobióloga do Instituto Riken de Ciências do Cérebro, no Japão, liderou uma equipe que usou medidas de eletrocardiograma utilizadas para monitorar os batimentos cardíacos de bebês e ratos depois que eles eram acolhidos e carregados. Seus batimentos cardíacos diminuíram quase que imediatamente.

"É muito difícil para os adultos relaxar tão rapidamente", disse Kuroda, cujo estudo foi publicado no periódico Current Biology. "Eu acho que isso é específico da fisiologia infantil."

No caso dos filhotes de ratos, foi necessário apenas um segundo para o ritmo cardíaco cair. Em bebês humanos, levou cerca de três segundos.

Leia também:
O complicado cochilo do bebê
Cientistas identificam as vantagens de um bebê bilíngue
Vídeo: Cientistas fazem mapa do cérebro de bebês
Bebês entendem quando brinquedos estão quebrados

Os pesquisadores trabalharam com bebês com menos de 6 meses; a resposta foi mais forte naqueles com três meses e ou menos.

Tanto os bebês quanto os filhotes de ratos pararam de se mover depois de serem carregados, e os ratos pararam de emitir gritos ultrassônicos.

O mesmo tipo de reação tem sido vista, informalmente, em muitos outros mamíferos.

"Os leões às vezes carregam os filhotes pela boca, e sabe-se que eles parecem ficar muito moles e relaxados, com os olhos fechados", disse Kuroda. "Mas ninguém mediu a resposta infantil até agora."

A propósito, acrescentou ela, a mãe não é a única pessoa que pode ter esse efeito calmante.

"Nós, na verdade, também fizemos alguns estudos preliminares com os pais e avós", disse ela. "E, basicamente, eles podem gerar o mesmo efeito."

Leia tudo sobre: criançacomportamento animalbebêrelaxamento

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas