Caça ilegal de elefantes na República Central-Africana aumenta

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Matança é impulsionada por crescente demanda asiática por marfim. Escritório na reserva de Dzanga-Sangha, Patrimônio Mundial da Unesco, retirou seu pessoal após ser saqueado

Reuters

AP
Guardas encontram carcaça de elefante na reserva Dzanga-Sangha

Caçadores ilegais de elefantes estão se aproveitando do caos na República Centro-Africana para caçar animais em áreas selvagens protegidas e abertamente vender sua carne em mercados locais, disseram ativistas nesta sexta-feira.

As matanças fazem parte de uma onda mais ampla de caça ilegal, impulsionada por uma crescente demanda asiática por marfim que ameaça toda a população de elefantes da região, disseram oito organizações.

Leia também: Fotógrafo flagra elefante defendendo filhotes contra hienas

Pobre, mas rica em minerais, a República Centro-Africana mergulhou em uma crise em março, quando rebeldes tomaram a capital e depuseram o presidente François Bozize.

Bandidos e combatentes rebeldes continuam a circular por grandes áreas do país remoto, disseram as ONGs.

Leia mais: 
Caça a elefantes e rinocerontes na África bate recorde em 2012
Caça na África do Sul pode exterminar rinoceronte até 2020

O World Wildlife Fund afirmou que seus escritórios na área protegida de Dzanga-Sangha foram saqueados três vezes no mês passado e que tinha retirado seu pessoal.

"A situação é realmente muito perigosa", disse o chefe do WWF, Bas Huijbregts, sobre a situação política na região.

Dzanga-Sangha, um Patrimônio Mundial da Unesco, é o lar de 3,4 mil elefantes da floresta, que são menores do que seus primos da savana africana e com presas mais retas e estreitas.

O WWF disse que recebeu, junto com outros grupos, "relatórios alarmantes a partir de suas operações de campo de que os elefantes estão sendo abatidos na violenta República Central-Africana... relatos iniciais indicam que a matança pode ser extensa".

Oito organizações conservacionistas que trabalham na bacia do Congo reuniram-se em Brazzaville para propor aos governos maneiras de combater a caça ilegal desenfreada, que abate cerca de 20 mil a 30 mil elefantes africanos a cada ano.

Os grupos, entre os quais a Rede Africana de Parques, Traffic e a Wildlife Conservation Society, exortaram os países africanos a desenvolverem seus laços com a China e a Tailândia, dois dos maiores importadores de marfim da Ásia, no sentido de encontrar uma solução para a crise.

AP
Imagem de 2006 mostra mãe e filhotes de elefantes bebendo água na reserva Dzanga-Sangha na República Central Africana

Leia tudo sobre: MUNDOAFRICAELEFANTECAAILEGAL

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas