Descoberta da estrutura do DNA faz 60 anos

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Elucidação da estrutura molecular do DNA é um marco científico que revoluciona a medicina até hoje, possibilitando o sequenciamento do genoma humano

Agência Estado

Getty Images
Descoberta em 1953 ajudou a elucidar os mecanismos de herança genética

Dois grandes feitos da ciência fazem aniversário neste mês. Cerca de duas semanas atrás, comemoraram-se dez anos do primeiro sequenciamento completo de um genoma humano, anunciado em 14 de abril de 2003 por um consórcio internacional de cientistas. Esse marco científico e tecnológico que está revolucionando a medicina, porém, jamais teria sido possível sem um outro feito monumental, que completa 60 anos na quinta-feira, 25: a elucidação da estrutura molecular do DNA.

Leia também: Em 10 anos, DNA poderá ser o novo pendrive

A descoberta da dupla hélice pelo americano James Watson e o britânico Francis Crick estabeleceu a pedra fundamental sobre a qual todo o conhecimento moderno da genética humana e da evolução da vida na Terra está estruturado.

Sem conhecer a estrutura da molécula de DNA, seria impossível entender como funciona. E, sem entender como o DNA funciona, seria impossível entender como a vida funciona. A existência do DNA (ácido desoxirribonucleico) já era conhecida desde o fim do século 19, mas sua estrutura molecular (e portanto suas funções essenciais) permaneceu um mistério até Watson e Crick a desvendarem. O trabalho histórico, curto e elegantemente simples, com apenas uma página e um desenho, foi publicado em 25 de abril de 1953 na revista científica britânica Nature.

Leia mais:
Cientistas criam polímero que substitui DNA
Cientistas fazem trecho artificial de DNA de levedura
Cientistas criam animal com informação artificial no DNA
A arte de construir máquinas genéticas

"Foi um trabalho tão bem feito que até hoje está do jeito que está, sem nenhuma correção, e continua a ser uma fonte básica de informação para livros-texto de várias disciplinas", diz o pesquisador Eduardo Gorab, do Departamento de Genética do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. "De longe, foi o trabalho que deixou todos os outros para trás", completa, referindo-se à corrida que havia na comunidade científica da época para chegar à cobiçada estrutura.

Veja o especial: Uma década do Genoma Humano

Nove anos depois da publicação da descoberta, Watson e Crick receberam o Prêmio Nobel pela descoberta, ao lado do britânico Maurice Wilkins, que elucidou algumas das funções biológicas associadas à estrutura da dupla hélice. Os três pesquisadores foram originalmente nomeados para receber o Nobel de Química, mas acabaram recebendo o de Medicina, pelo reconhecimento - então pioneiro - das enormes implicações da descoberta para a compreensão da biologia humana.

Implicações
Meio século mais tarde, a descoberta da dupla hélice desembocou no sequenciamento do genoma humano, que por sua vez desencadeou um processo de revolução científica e tecnológica na Medicina como um todo.Quase todas as doenças humanas têm um componente genético. Ou são causadas diretamente ou, no mínimo, são influenciadas (para o bem ou para o mal) por características genéticas individuais de cada paciente. Conhecer e entender essas características, portanto, é um dos objetivos mais importantes da medicina moderna. A chamada "medicina personalizada"."É algo que vai ter repercussões tremendas nos próximos anos", diz o pesquisador Emmanuel Dias Neto, do Centro Internacional de Pesquisa e Ensino do Hospital A. C. Camargo.

A tecnologia para isso avança numa velocidade espantosa. O sequenciamento e o mapeamento do primeiro genoma humano custaram quase US$ 3 bilhões e levou mais de dez anos para ser concluído. Hoje, pode-se sequenciar um genoma humano em um dia, por cerca de US$ 1 mil, numa única máquina. São comuns projetos de pesquisa envolvendo o sequenciamento de milhares de pacientes. "Quanto mais informações temos, mais coisas podemos fazer com elas", diz Emmanuel, que trabalha com genética de câncer. "A tecnologia hoje nos permite fazer coisas que jamais imaginaríamos possíveis." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: genomadnaciênciaestudo genéticogenewatson e crick

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas