Russos dizem ter achado nova forma de vida sob gelo da Antártida

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Perfuração do lago Vostok encontrou DNA de bactéria que não é de nenhuma espécie conhecida até agora

Reuters

AFP
O príncipe Albert, de Mônaco (3ºE) posa com cientistas perto do centro de pesquisas no lago Vostok em fev/2012

Cientistas russos acreditam ter descoberto novas formas de vida isoladas há milhões de anos em um lago subglacial, abaixo da cobertura de gelo da Antártida, disse a agência de notícias RIA na quinta-feira (7).

Após mais de uma década de perfuração intermitente, a Rússia atravessou no ano passado a crosta congelada da Antártida e recolheu amostras da água de um vasto lago que permaneceu intocado durante pelo menos 14 milhões de anos.

Os cientistas dizem que a escuridão gelada do lago Vostok, sob cerca de 3.700 metros de gelo, pode revelar como era o planeta antes da Era do Gelo, e dar pistas sobre a vida em outros planetas.

"Após excluir todos os contaminantes conhecidos, foi achado DNA bacteriano que não bate com o de nenhuma espécie conhecida nas bases de dados mundiais", disse à RIA Sergei Bulat, do Instituto de Física Nuclear de São Petersburgo.

"Se (essas bactérias) tivessem sido achadas em Marte, então sem dúvida teríamos dito que há vida em Marte - mas este é o DNA da Terra", disse ele. "Estamos chamando essa forma de vida de não-identificada e não-classificada",

Cientistas dos EUA e Grã-Bretanha também participam da corrida para tentar descobrir vida nos ambientes mais extremos da Terra. Neste ano, uma expedição norte-americana disse ter encontrado microscópicas células vivas em amostras recolhidas de outro lago subglacial, o menos profundo Whillans. Novos estudos ainda estão sendo feitos para determinar que bactérias são essas e como elas vivem.

Uma iniciativa britânica para alcançar um terceiro lago, o Ellsworth, foi cancelada em dezembro, por problemas na perfuração.

A vida nas profundezas geladas pode revelar se é possível haver vida nas condições extremas de Marte ou de Europa, uma lua de Júpiter.

A descoberta russa veio com a análise da água que congelou na ponta da perfuratriz usada para alcançar o Vostok - maior de uma rede de centenas de lagos sob a camada de gelo que funciona como um cobertor, retendo a energia geotérmica.

Bulat e outros membros da missão antártica russa não foram localizados na quinta-feira pela Reuters para comentar.

Leia também:
À procura de sinais de vida nas profundezas da Antártida 
Cientistas descobrem bactérias vivendo em condições extremas na Antártida
Cientistas russos atingem lago Vostok, no subsolo antártico

Mas Bulat disse à RIA que os cientistas aguardam mais amostras do lago para confirmar sua descoberta.

Por causa da tecnologia usada para evitar contaminações do lago, a Rússia só obterá amostras de água pura, sem contaminação pelo fluido de perfuração, dentro de alguns meses.

Para que o querosene e o líquido anticongelante usados na perfuração não escorressem para o lago, os engenheiros russos retiraram a sonda de modo a permitir que a água se infiltre pelo terreno para cima, até o buraco, congelando-se por lá. Meses depois, os técnicos voltam para recolher essa amostra.

Mas Bulat disse que micróbios desconhecidos foram encontrados após a retirada de bactérias sabidamente existentes no fluido de perfuração. "Quando tentamos identificar o DNA, ele não coincidia com o de nenhuma espécie conhecida. Seu grau de similaridade era inferior a 86 por cento. Isso é praticamente zero ao trabalhar com DNA. Um nível de 90 por cento nos diz que o organismo é desconhecido."

Uma nova amostra, recolhida ainda mais profundamente, foi retirada em fevereiro e chegará de barco a São Petersburgo em maio. "Se voltarmos a identificar o mesmo grupo de organismos naquela amostra de água pura, então podemos dizer com confiança que encontramos nova vida na Terra", afirmou Bulat.

Leia tudo sobre: antártidarússiabiologiavostok

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas