Múmia de imperatriz é a maior surpresa da exumação

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Até agora não se sabia que Dona Amélia, segunda mulher de Dom Pedro I, havia sido mumificada. Causas exatas da mumificação da imperatriz estão sendo investigadas

Agência Estado

Uma das principais revelações da exumação, inédita, dos restos mortais de Dona Amélia de Leuchtenberg, segunda mulher de Dom Pedro I, é a de que ela foi mumificada - um dado até aqui desconhecido de sua biografia. A imperatriz, que morreu em Lisboa em 1876 e cujos restos mortais foram trazidos à cripta do Ipiranga em 1982, conserva pele e órgãos internos intactos. Cabelos, cílios, unhas, globos oculares e órgãos como o útero estão preservados.

"É uma das múmias em melhor estado de conservação já encontradas no País. Agora, precisamos pesquisar para entender exatamente por que ela ficou assim e, mais importante ainda, compreender melhor quem foi essa mulher, uma imperatriz esquecida na História do Brasil", diz a arqueóloga Valdirene Ambiel, responsável pelas pesquisas na cripta do Ipiranga. "Quando a trouxeram à cripta, em 1982, dizia-se que ela estava ‘preservada’, mas ninguém sabia que poderia ser considerada múmia."

As causas exatas da mumificação de Amélia ainda estão sendo investigadas - isso não era comum entre a nobreza de Portugal. "Pode ter sido um ‘acidente de percurso’. Ela foi tratada para ficar conservada alguns dias, para o funeral, e isso acabou inibindo o processo de decomposição", diz Valdirene. Os exames no Hospital das Clínicas revelaram uma incisão na jugular da imperatriz. Por ali, foram injetados aromáticos como cânfora e mirra. "Certamente, ajudou a anular a decomposição."

Outro fator que contribuiu foi o sepultamento. "A urna foi tão hermeticamente lacrada que não havia micro-organismos para a decomposição. É irônico que tenha acontecido justamente com Amélia, que pediu expressamente um funeral simples, no qual não se costumava preparar os mortos", explica Valdirene, referindo-se ao testamento de Amélia de Leuchtenberg, no qual consta o pedido de um enterro sem ostentações. O documento, porém, só foi lido após o funeral, quando a mumificação já havia sido preparada.

Após passar pelo aparelho de tomografia do Instituto de Radiologia e de receber uma biópsia, a imperatriz foi "remumificada" - ela recebeu novo processo de embalsamamento, semelhante ao qual havia passado 136 anos antes. Valdirene também foi a responsável por preparar e aplicar na múmia uma solução semelhante à usada em Portugal no século 19 (500g de naftalina, 500g de cânfora, 300g de manganato de potássio, 2,5 litros de álcool a 92%, 2 litros de formol e 500g de timol). Com gaze e algodão, passou a mistura em todas as partes visíveis da imperatriz - face, pés, mãos e pescoço. "Também passamos a solução nas laterais do corpo preservado, para que receba o tratamento por absorção. Nas costas, ficou do jeito que estava, já que não podíamos levantá-la do caixão", conta.

Com a descoberta, o caixão de Dona Amélia recebeu um visor de vidro, que permitirá - apenas a pesquisadores - observar seu estado de conservação. No plano que apresentou à Prefeitura, Valdirene se propõe a fazer visitas semanais à cripta, para checar a preservação da múmia. "Faz parte do projeto de preservação dos restos mortais da família imperial. Precisamos tomar conta das descobertas." As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: históriaarqueologiadom pedro Idona améliamumificaçãomúmia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas