Primeiro-sargento da Marinha Luciano Gomes Medeiros responderá por homicídio culposo de dois militares e por dano à instalação militar, incendiada em 25 de fevereiro de 2012

Agência Brasil

A Justiça Militar da União em Brasília aceitou denúncia contra o primeiro-sargento da Marinha Luciano Gomes Medeiros, acusado de provocar o incêndio que destruiu a base brasileira na Antártica . Ele responderá por homicídio culposo (sem intenção de matar) de dois militares e por dano à instalação militar. O acidente ocorreu em 25 de fevereiro do ano passado.

Leia também:
Pesquisadores voltam à Antártica depois de oito meses do incêndio na Estação
Nova estação na Antártida só deverá ficar pronta em 2016
N
ova base não ficaria pronta antes de três anos, diz arquiteta

Imagem do incêndio na base brasileira na Antártida
AP
Imagem do incêndio na base brasileira na Antártida

Por determinação judicial, o processo ficará em sigilo, pois tem informações sobre a segurança nacional. O juiz ainda acatou pedido do Ministério Público Militar para arquivar as apurações em relação a outros dois militares por falta de indícios de participação no crime.

Segundo a denúncia do Ministério Público, o sargento Medeiros era responsável pela transferência de óleo diesel de combustão imediata entre tanques que alimentavam os geradores da base militar. Na noite do dia 25, ele deixou o posto, com a transferência em andamento, para participar da festa de despedida de uma pesquisadora.

Segundo as perícias, o incêndio ocorreu porque a transferência de combustível não foi encerrada em tempo hábil, levando ao transbordamento dos tanques. O contato do óleo com o gerador quente foi a principal causa do incêndio, que destruiu 70% da base militar. O prejuízo causado pelo incêndio foi orçado em R$ 24,6 milhões.

Mais:
Acidente expõe crise do programa brasileiro, diz pesquisador
Base da Antártida estava em festa quando fogo começou

Em sua defesa, o sargento disse que desligou a bomba de transferência de combustível, mas que não se lembra de ter fechado as válvulas dos tanques. O interrogatório do acusado e a oitiva de seis testemunhas estão marcados para dia 28 de fevereiro, às 14h. A etapa não será aberta ao público devido ao caráter sigiloso do processo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.