Pesquisadores explicam cientificamente por que carinho é agradável

Por Maria Fernanda Ziegler - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Estudo feito em camundongos identificou neurônios que são ativados apenas quando eles eram acariciados e que essa ativação era prazerosa para as cobaias

D. Anderson lab, Caltech
Pesquisadores conseguiram identificar neurônios ativados pelo carinho

Carinho é bom e relaxa, mas agora há uma explicação científica para isso. Pesquisadores americanos conseguiram identificar o grupo de neurônios abaixo da pele e dos cabelos que detectam quando o corpo é acariciado, mas não quando ele recebe algum tipo de agressão. O estudo mostrou que estas mesmas células promovem uma sensação de bem estar quando ativadas.

O estudo do Instituto de Tecnologia da Califórnia foi feito em camundongos, mas os pesquisadores acreditam que os resultados possam ser aplicados até ao homem. “Como os mecanismos sensoriais mais básicos são conservados entre os mamíferos, acredito que o estudo possa ser aplicado em outros mamíferos também, talvez até em humanos”, disse ao iG David Anderson, autor principal do estudo publicado esta semana no periódico científico Nature.

Leia mais: 
Cientistas encontram grupo de neurônios ligados à agressividade
Identificadas regiões do cérebro que adquirem e respondem ao medo

A equipe de pesquisadores descobriu um grupo de células que só respondem ao carinho. Quando os camundongos eram cutucados ou beliscados, estes neurônios não eram ativados.

No experimento eles confinaram um camundongo em um ambiente com uma solução química que ativava estes neurônios. No dia seguinte, o animal era levado para uma área vizinha com uma solução salina, desenvolvida para não ter efeito nenhum nos camundongos.

Depois de um tempo, o camundongo tinha acesso as duas áreas e podia escolher em que área ficar. O animal passou muito mais tempo na área com a solução que ativava os neurônios do carinho.

Leia também:
Motivo do fracasso no regime está nos neurônios
Cientistas conseguem apagar memórias em laboratório
Novos neurônios do cérebro adulto têm função específica

Os pesquisadores não descartam a possibilidade de desenvolver uma nova droga que ative os neurônios relacionados com o carinho. “Eu estaria interessado neste estudo, caso alguém queira financiar a busca desta uma droga. Talvez ela pudesse aliviar a dor ou coceira da pele em seres humanos e animais, ou simplesmente nos fazer sentir melhor”, disse ao iG.

Leia tudo sobre: cérebroneurônioscarinho

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas