Estudo descobre que besouro africano se orienta com a ajuda das estrelas

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisadores descobriram por acaso que inseto, conhecido como rola-bosta, não anda em círculos graças ao brilho da Via Láctea

Current Biology, Dacke et al.
Via láctea conduz besouros africanos a andarem em linha reta

Pesquisadores suecos descobriram que um inseto sul-africano com nome um tão desprezível como rola-bosta na verdade é um expert em geolocalização. Os cientistas constataram que o besouro, que se alimenta de esterco, se orienta pelo brilho da Via Láctea. Com as luzes do céu, ele tem certeza de que está rolando as bolas no sentido reto e não andando em círculos.

Veja também: Afinidade de besouro com esterco mantém sua temperatura

Embora a visão dos besouros não seja muito boa a ponto de distinguir uma constelação da outra, os rola-bosta usam a variação da luz dada pela Via Láctea. Foi a primeira vez que se constatou que um  inseto se guia pelo céu, o que põe o rola bosta em pé de igualdade com humanos e pássaros em senso de direção.

A grande questão que envolve a eficiência na orientação é impressionar as fêmeas com a quantidade de provisão – no caso, o excremento - para a futura prole. Portanto rolar as bolas em linha reta também representa uma chance maior de sucesso reprodutivo. É sabido que rivais tendem a ultrapassar outros machos e reivindicar o montinho. Senso de orientação e se locomover usando as menores distâncias possíveis então são essenciais.

Leia também:
Polícia usa insetos para solucionar crimes
Cor de fóssil de besouro mostra como foi sua vida há milhões de anos
Besouro tem sistema natural de porca e parafuso nas patas 

A descoberta foi acidental. A equipe estava pesquisando como os besouros usam os padrões de luz da lua para continuarem no caminho reto, quando observaram que mesmo na lua nova eles continuavam o padrão. “Mesmo em noite sem lua, apenas com estrelas, eles continuavam a andar em linha reta. Ficamos impressionados com isto”, disse Eric Warrant da Universidade de Lund, na Suécia, e um dos autores do estudo publicado no periódico científico Current Biology.

Leia tudo sobre: insetoanimais

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas