Antropólogos descobrem que bonobos são altruístas

Por The New York Times |

compartilhe

Tamanho do texto

Estudo feito com bonobos órfãos de santuário na República Democrática do Congo mostrou que animais partilham alimento com estranhos

Jingzhi Tan via The New York Times
Bonobos compartilham alimento no santuário Lola ya Bonobo, na República Democrática do Congo

Os bonobos podem partilhar alegremente seu alimento com um estranho, e até mesmo desistir de sua própria refeição – mas só se o estranho lhes oferecer interação social, de acordo com antropólogos evolutivos da Universidade de Duke em um relatório publicado no periódico PLoS One. Os pesquisadores Jingzhi Tan e Brian Hare dizem que suas descobertas podem ajudar a encontrar a origem do altruísmo nos humanos.

Juntamente aos chimpanzés, os bonobos estão entre os primatas mais próximos dos humanos. Os chimpanzés, no entanto, não apresentam um comportamento semelhante em relação a estranhos.

"Se você só estudou chimpanzés, poderia pensar que os seres humanos evoluíram posteriormente essa característica de partilhar com estranhos", disse Tan. "Mas agora, dado que os bonobos fazem isso, o cenário é que o ancestral comum de chimpanzés, seres humanos e bonobos tinha essa característica."

Leia mais:
Fêmea de bonobo é considerada o macaco mais inteligente do mundo
Por 'status', chimpanzés fêmeas 'exageram prazer' em relações homossexuais
Cientistas sequenciam genoma do bonobo

Os indivíduos no estudo eram todos bonobos órfãos do santuário Lola ya Bonobo na República Democrática do Congo. Em uma fase do estudo, foi dada uma grande quantidade de comida aos bonobos, e então a oportunidade de libertar um estranho ou um companheiro de grupo (ou ambos) de outros cômodos.

Os bonobos escolheram libertar os estranhos e compartilhar sua comida. Não só isso, mas os bonobos recém-libertados, então, libertavam um terceiro bonobo.

"Isso foi um choque para nós, pois os chimpanzés são muito xenófobos", disse Tan. "Eles não se aproximam de estranhos, a menos que estejam em maior número."

Os macacos tinham um limite – eles não compartilhavam sua própria comida se não houvesse interação social envolvida.

No entanto, eles ajudavam o estranho a obter alimento, mesmo sem interação social. Tan comparou isso a certos atos humanos de bondade.

"É como quando você doa dinheiro e não diz às pessoas", disse ele, "então não há nenhuma maneira de você obter qualquer benefício".

Leia tudo sobre: animaiscomportamento animalprimatasbonobos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas