Deep Space Industries vai lançar naves espaciais em 2016 para captar metais preciosos em asteroides

Ilustração mostra nave de prospecção de asteroides da Deep Space Industries
Divulgação/ DSI/ Bryan Versteeg
Ilustração mostra nave de prospecção de asteroides da Deep Space Industries

A empresa Deep Space Industries anunciou nesta terça-feira (22) que vai lançar uma frota de naves espaciais, com peso de apenas 25 quilos cada, para captar minerais e combustível de asteroides. O anunciou foi feito no Museu de Aviação de Santa Monica, nos Estados Unidos, para uma plateia pequena. Porém mais de mil pessoas assistiram à apresentação pela internet. Entre os comentários dos que acompanharam o evento pelo canal do Youtube, estavam acusações de pirataria espacial.

Leia mais:
Empresa quer extrair metais preciosos de asteroides
Nasa: grandes asteroides representam ameaça remota à Terra
Empresas privadas disputam prêmio para chegar à Lua

“Podemos pegar prata e ouro destes corpos celestes e vender em nossos mercados”, disse David Gump, CEO da empresa. Na verdade, a ideia da Deep Space Industries não é apenas retirar metais preciosos do espaço, mas também transformar os asteroides em combustíveis para abastecer satélites que estão no espaço. Desta forma, aumentaria a vida-útil dos satélites.

“Usando tecnologias de baixo custo combinadas com o legado dos programas espaciais e com o conhecimento de novos gênios tecnológicos, poderemos fazer coisas inimagináveis em alguns anos”, disse o presidente da Deep Space Rick Tumlinsin.

Leia também:  Nave espacial japonesa capturou poeira de asteróide

A empresa pretende fazer os lançamentos das naves em 2016 para uma viagem que trará algumas amostras do espaço. 

Trazer componentes de asteroides para a Terra é apenas um passo para outros objetivos da Deep Space. A empresa tem a patente de uma tecnologia chamada de MicroGravity Foundry (Fundição em Microgravidade), que transforma asteroides brutos em partes de metal. O MicroGravity Foundry é uma impressora em 3D que usa lasers para depositar níquel.

“Não há nada, tecnologicamente falando, que nos impeça de fazer esta exploração. A pergunta é como acelerar isto no sentido científico e comercial”, disse Daniel Faber, um dos integrantes do grupo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.