Entenda o legado da civilização maia

A cultura maia não foi apenas composta de calendários e previsões supostamente apocalípticas. Conheça as contribuições da civilização que dominou a América Central

AFP | - Atualizada às

AFP

Getty Images
Pedra do calendário Maia encontrada em Yucatán

O calendário mais preciso e conceitualmente mais rico elaborado no mundo é apenas uma - apesar de ser a mais famosa - das contribuições da milenar cultura maia à humanidade, segundo especialistas.

Esse calendário, de 18 meses de 20 dias, mais o Wayeb, os cinco dias sagrados, marca o próximo solstício (21 de dezembro) no Ocidente e o fim de uma 'contagem longa' (de 5.200 anos), motivo de celebrações com rituais ancestrais e também de ideias apocalípticas.

"O calendário maia não é simplesmente uma questão de contar segundos, minutos e horas, e sim um modelo de como se movem os astros e como isto influi de maneira cíclica na vida humana", explicou o antropólogo guatemalteco Alvaro Pop, membro do Fórum Permanente das Nações Unidas sobre Questões Indígenas.

Mediante a observação e o estudo do céu, os maias desenvolveram o conceito de que "não há nada que não seja influenciado pelos astros, desde as marés até o nascimento de meninos e meninas", afirmou.

Leia mais sobre os maias: 
Arqueólogos encontram na Guatemala o mais antigo calendário maia
Cientistas desvendam profecia maia do 'fim do mundo em 2012'
Escadaria maia com maior texto hieróglifo do país é encontrada na Guatemala
Estudo liga colapso da civilização maia à mudança climática
Profecias sobre o fim do mundo existem desde a Antiguidade
Nasa desmente 'fim do mundo' e alerta sobre suicídios

A antropóloga costa-riquenha Ana Cecilia Arias concorda com Pop sobre o impressionante desenvolvimento do conhecimento astronômico dos maias.

"Desde muito tempo, desde antes de Cristo, os maias conseguiram um desenvolvimento sócio-cultural tão grande que puderam realizar certos cálculos matemáticos para determinar a órbita de Vênus", explicou Arias.

A astronomia também serviu para os maias como ferramenta para um conhecimento mais preciso da influência dos astros sobre a vida das plantas, o que por sua vez permitiu melhorar as técnicas agrícolas.

Mas, além disso, os maias fizeram contribuições muito significativas para a arquitetura, a matemática, a topografia, a arte têxtil, a cozina, que o projetaram através dos séculos para a atual cultura da América Central, que abarca parte do México, Guatemala, Belize, Honduras e El Salvador.

A arte culinária da América Central, caracterizada pela forte presença do milho, também planta suas raízes na cultura dos maias, que domesticaram esta planta há 3.000 anos e a transformaram em um dos carro-chefes de sua vida.

Foram os primeiros também a cultivar o cacau e há indícios de que poderiam ser os culpados pelo hábito de mascar chiclete, goma obtida a partir da seiva de uma planta, conhecida cientificamente como Manilkara zapota , originária do México e América Central.

O manejo da modelagem e cor nos tecidos indígenas guatemaltecos, admirados no mundo todo, são especialistas inconfundíveis dessa cultura.

"Sobretudo a cor dos tecidos constituiu a expressão de vida mais explosiva e bela que se pode encontrar no continente e no mundo", assegura Pop.

Em outros âmbitos, os maias falaram 36 línguas na América Central, muitas das quais ainda vivas, com uma estrutura gramatical muito desenvolvida e expressões literárias próprias.

O Popol Vuh, livro sagrado dos maias, é uma dessas importantes heranças literárias, onde se reflete com clareza a visão de mundo e a espiritualidade desse povo.

Como fizeram as grandes culturas da humanidade, os maias desenvolveram uma escrita que temos conseguido decifrar e través da qual conhecemos sua história, inscrita nas chamadas "estelas", monumentos de pedra talhada que guardam o registro de grandes acontecimentos.

A cultura maia teve seu maior esplendor no chamado período clássico (250-900 D.C.) até que entrou em uma etapa de decadência no período pós-clássico que se prolongou até três séculos antes da chegada dos espanhóis na região.

É indiscutível que muitos dos grandes monumentos arquitetônicos da região, como as igrejas coloniais, estão impregnados do mesmo conhecimento da física e da engenharia que tornaram possíveis as grandes pirâmides construídas pelos maias, pois muitos dos construtores eram indígenas herdeiros de tais conhecimentos, assegura Arias.

Da época de glória da civilização maia, ficaram na atualidade os vestígios de grandes cidades como Chichén Itzá no México, Tikal na Guatemala, Copan em Honduras e Tazumal em El Salvador, que constituem as mecas do turismo arqueológico regional.

Mas o fato mais importante é que foi preservada uma numerosa população que, além de conservar a herança genética de seus antepassados, continua guardando muito da tradição cultural, em contextos muito adversos, de sociedades que menosprezam seus próprio passado.

Hoje subjugada, discriminada, encurralada na miséria e depreciada em seu valor, a cultura maia continua, sem dúvida, fazendo uma contribuição valiosa para a sociedade mesoamericana e universal, assegura Pop: "É o ensino de que a paz é a melhor forma de convivência humana".

Esta atitude pacífica e de respeito à natureza é essencial, afirma o antropólogo, à espiritualidade dos maias, que não se compara com nenhuma outra cultura pré-hispânica da América.

    Leia tudo sobre: arqueologiamaiasmaiacalendário maiahistória

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG