EUA querem usar celulares para monitorar terremotos

Objetivo é usar acelerômetros presentes nesses dispositivos para criar rede ultrarrápida de compartilhamento de informação em tempo real sobre os tremores

BBC Brasil |

BBC

Uma equipe de pesquisadores do laboratório sísmico da Universidade da Califórnia em Berkeley anunciou a intenção de usar telefones celulares para monitorar terremotos. O objetivo é usar os acelerômetros presentes nesses dispositivos para criar uma rede ultrarrápida de compartilhamento de informação em tempo real sobre os tremores.

Infográfico:  Entenda como acontecem os terremotos e tsunamis

Leia também: Pesquisadores identificam zonas com mais risco de sofrer grandes terremotos

Para tornar a ideia realidade, os cientistas estão desenvolvendo um aplicativo que registre os abalos e, em seguida, envie os dados para um servidor central através da rede de telefonia móvel.

Com o grande número de smartphones em circulação, os estudiosos afirmam que poderão obter detalhes sobre onde e quando os terremotos foram sentidos. Trata-se, segundo os pesquisadores, de uma informação muito útil para elaborar um plano de risco e evitar catástrofes. Tais dados, acrescentam os cientistas, também podem ter um papel importante no sistema de alerta de terremotos da Califórnia.

Acelerômetros

"Atualmente, os telefones inteligentes contêm todos os tipos de sensores, e podemos usá-los de maneiras inéditas", disse o pesquisador Qingkai Kong. "No momento, só podemos detectar terremotos de magnitude superior a 5,0, mas com os acelerômetros em futuros smartphones, esperamos poder levantar informações sobre os pequenos", disse ele à BBC.

O pesquisador da Universidade da Califórnia em Berkeley explicou o seu projeto na reunião de outono da União Geofísica Americana (AGU, na sigla em inglês), a maior reunião anual de cientistas no campo.

Kong conta que ele e seus colegas não tinham certeza de que os telefones celulares seriam adequados para servir de sismógrafos de bolso. Por essa razão, decidiram selecionar e testar um número determinado de dispositivos em laboratório, numa espécie de mesa que simulava os tremores.

Saiba mais:
Perfuração em lençol freático pode ter causado terremoto na Espanha
Estudo indica ruptura de placa tectônica sob Oceano Índico
Cientistas são condenados por subestimarem terremoto em L'Aquila
Terremotos no Brasil são raros, mas representam um perigo real

O equipamento, explica Kong, simula diferentes graus de terremoto e é comumente usado para verificar a robustez de técnicas de construção, e, assim, assegurar que os edifícios não caiam. Os resultados demonstraram claramente que os acelerômetros utilizados em tais telefones para rodar o sistema operacional poderiam detectar a vibração dos abalos.

Ruído

O problema, no entanto, é que os telefones raramente são deixados em uma superfície plana, sendo carregados junto de seus proprietários. Mas a equipe liderada por Kong acredita que pode resolver tal problema, e desenvolveu um algoritmo que eliminaria o "ruído" relativo ao seu uso pelo ser humano.

"O padrão de reconhecimento dos algoritmos detecta atividades humanas como caminhar, correr e dirigir, e usa essa informação para excluí-las dos sinais do terremoto", disse Kong. Esse algoritmo, acrescentou, raramente pode ser "enganado".

O projeto ainda se encontra em estágio inicial, e a equipe espera em breve começar a recrutar mais funcionários para aprofundar a pesquisa. O objetivo é testar o aplicativo com milhares de voluntários em toda a baía de São Francisco no próximo ano.

A razão é simples. São Francisco possui um histórico de tremores. Um de magnitude 7,9 aconteceu em 1906 e destruiu a região. O Estado da Califórnia está localizado sobre a falha de San Andreas e é muito propenso a abalos sísmicos. Já Berkeley está localizada na falha de Hayward, local, estimam os cientistas, do próximo tremor californiano.

    Leia tudo sobre: tecnologiaterremotocelularessmartphonesberkelycalifórnia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG