Técnica torna programas de reprodução de pandas em cativeiro mais eficientes

Novo método, que também pode ser usado em humanos, consegue determinar quando o animal está no cio; fêmeas de panda ovulam apenas uma vez por ano

Maria Fernanda Ziegler -iG São Paulo | - Atualizada às

AP
Pesquisadores conseguiram medir a partir de análises da urina se fêmea de panda está no cio

A fecundação de uma panda gigante é uma das mais difíceis do reino animal - as fêmeas ovulam apenas uma vez por ano e os machos também apresentam sazonalidade reprodutiva . Mas um estudo japonês pode tornar mais eficiente os programas de reprodução em cativeiro desta espécie ameaçada de extinção. Isto porque os pesquisadores descobriram um método rápido de identificar na urina dos animais quando as fêmeas estão no cio.

Nesta nova técnica, o espectro da água pode ser usado no diagnóstico. Luzes próximas da frequência infravermelha podem penetrar na amostra de urina e parte é refletida. “Quando medimos este espectro, podemos dizer se há hormônio relacionado com a ovulação na urina do panda”, disse ao iG  Tsenkova Roumiana, pesquisadora da Universidade de Kobe, no Japão, e autora do estudo publicado esta semana no periódico científico Scientific Reports .

A pesquisadora explica que a água desempenha o papel de "espelho" no nível molecular, quando a luz infravermelha brilha sobre a água. “Nós desenvolvemos um algoritmo para usar o espectro como biomarcador do cio”, disse ao iG Tsenkova. A técnica usada é inovadora e combina um método já conhecido de análise de dados a partir das luzes infravermelhas, a espectrofotometria, com uma nova disciplina científica, conhecida em inglês como aquaphotomics.

Leia mais:
Sete filhotes de panda são fotografados juntos pela primeira vez
Análise de hormônios explica dificuldade para reprodução dos pandas
Fim do mistério sobre sexo de urso panda nascido em zoológico americano
Morre na Alemanha panda macho 'mais velho do mundo'
Panda de zoológico americano está com gravidez psicológica 

Quando o resultado do teste dá positivo, indicando que a fêmea está no pico do cio, é feita a inseminação artificial. Os pesquisadores acreditam que a nova técnica vai tornar os programas de reprodução em cativeiro mais eficientes. O cio das fêmeas ocorre apenas uma vez por ano entre fevereiro e maio e dura apenas de 24 a 72 horas. Segundo um estudo anterior, as ondas de atividade reprodutiva nos machos ocorrem de três a cinco meses antes de as fêmeas entrarem no cio, para que eles tenham tempo de se preparar para a cópula.

De acordo com Tsenkova o resultado da análise leva menos de um segundo para ficar pronto e pode ser usada em outros mamíferos, inclusive nos humanos. Pelo método tradicional, que faz a  análise das fezes do animal é necessário no mínimo um dia para obter os dados sobre a quantidade de hormônios.

O panda gigante é uma espécie ameaçada de extinção e estima-se que existam entre mil e dois mil pandas gigantes na natureza. 

    Leia tudo sobre: pandaanimaisreprodução em cativeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG