Cientistas chineses decifram DNA do camelo

Pesquisadores acreditam que dados genéticos da espécie podem ajudar a entender sua grande resistência a condições extremas

AFP |

AFP

National Geographic
As corcovas do camelo são essenciais para suportar longos períodos sem água

Uma equipe de cientistas chineses anunciou nesta terça-feira (13) ter decifrado o DNA do camelo bactriano, passo fundamental para conhecer o metabolismo deste animal emblemático dos desertos da Mongólia e ameaçado de desaparecimento em estado selvagem.

O camelo bactriano ( Camelus bactrianus ) teve 28.821 genes codificados, incluindo muitos ligados ao metabolismo, o que explicaria suas extraordinárias faculdades de resistência em condições extremas , disse Meng He, da Universidade Jiaotong em Xangai.

Para se adaptar às condições do Deserto de Gobi, com temperaturas extremas, o camelo bactriano desenvolveu a capacidade de sobreviver muito mais tempo sem comida e água, armazenando gordura em seu abdômen e nas duas corcovas.

Leia mais:
Genes raros variam geograficamente
Cientistas anunciam mapeamento do DNA da cevada
Pesquisadores sequenciam genoma da banana
Pesquisadores obtêm mapa completo das variações do genoma do arroz

O organismo do camelo bactriano é capaz de suportar uma temperatura interna que oscila entre 34° e 41° ao longo do dia, seu nível de açúcar no sangue é duas vezes mais elevado que nos demais ruminantes e ele pode consumir oito vezes mais sal, sem sofrer de diabetes ou hipertensão.

Os geneticistas descobriram no DNA do camelo numerosos genes envolvidos nos mecanismos de diabetes do tipo 2 e da insulina. Também encontraram no camelo onze cópias do gene CYP2J, relacionado à tensão arterial e a uma alimentação muito salgada. O cavalo e o homem têm apenas um exemplar deste gene.

Os pesquisadores, que publicam o genoma no periódico britânico Nature Communications, também identificaram no camelo uma série de genes que poderão explicar a presença de anticorpos de alta eficiência: uma forma de imunoglobulina, menor e mais estável, que apenas os camelídeos possuem.

    Leia tudo sobre: genomacamelodnagenética

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG