Entre as aranhas, pai solteiro atrai mais parceiras

Pesquisador brasileiro descobre que ao proteger os ovos fecundados, o macho do opilião atrai mais fêmeas do que se estivesse andando pela vegetação

The New York Times |

Divulgação
Opilião macho cuidando dos ovos em uma folha: processo custa energia, mas traz benefícios

Não é nada fácil ser pai solteiro. Mas, para uma espécie de aracnídeo, esse estilo de vida tem algumas vantagens. Entre elas o fato de as fêmeas terem mais atração por machos sozinhos com filhotes que por solteiros paqueradores.

O macho do opilião ( Iporangaia pustulosa ), um aracnídeo de patas compridas, protege os ovos deixados por sua companheira. Ele pode continuar a acasalar enquanto protege os ovos, e um novo estudo relata que esses machos são mais atraentes para as fêmeas.

"Um macho com ovos exibe sinais de que deseja e é capaz de tomar conta de mais ovos", afirmou Gustavo S. Requena, que terminou recentemente seus estudos de doutorado na Universidade de São Paulo. "Pode ser que os outros machos que passeiam em meio à vegetação tenham essas características, mas pode ser que não".

A pesquisa foi parte da tese de doutorado de Requena e está publicada no periódico PLoS One.

Leia também:
Vídeo: Cinegrafistas mostram como aranha captura presa
Butantan descobre 17 novas espécies de aranhas na Mata Atlântica
Aranhas 'decoram' teias para fisgar mais presas, diz estudo
Espécie de vespa paralisa aranha venenosa na Austrália

Requena afirmou que após depositar os ovos, a fêmea do opilião transfere para o macho a responsabilidade por seu cuidado. Os ovos demoram aproximadamente um mês para eclodir durante o verão, e esse processo pode demorar dois meses durante o inverno. Em suma, caso o macho continue copulando e protegendo mais ovos, é possível que precise ficar no mesmo local até quatro meses. Os machos ficam muito fracos porque não podem deixar a área para procurar por comida.

Por outro lado, como são muito sedentários, a probabilidade de serem devorados por predadores é menor. As fêmeas também produzem um muco protetor junto com os ovos que parece repelir predadores.

"Portanto, ficar com os filhotes é mais vantajoso do que pensávamos", afirmou Requena. "Eles são mais atraentes para as fêmeas. Mas, por outro lado, precisam retribuir gastando muita energia."

    Leia tudo sobre: aranhasreproduçãocomportamento animal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG