Especialistas discutem possíveis vínculos entre mudanças climáticas e furacões

Estudos mostram que houve aumento na incidência de furação. IPCC prevê que estes fenômenos serão mais intensos nos próximos anos

AFP |

AFP

AP
Árvore cai em Sea Cliff, no Estado de Nova York (30/10) após passagem de tempestade Sandy

Para o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), existe um vínculo provável entre as mudanças climáticas e os furacões.

A organização prevê que estes fenômenos serão mais intensos no século XXI, embora a questão seja objeto de intenso debate entre os especialistas.

"A pesquisa científica sobre o impacto das mudanças climáticas nos furacões é um tema que continua em aberto", declarou Serge Planton, encarregado do grupo de pesquisas climáticas do serviço meteorológico francês Meteo France.

Veja:  Nova York levará dias para voltar à vida normal após tempestade, diz prefeito

Para ele, "a complexidade do fenômeno - um furacão depende da temperatura da superfície do mar, mas também da estrutura dos ventos em todo o volume da atmosfera - não responde de forma linear, simples, ao aquecimento global".

Entenda: Climas extremos vão piorar com mudança climática, diz ONU

Em seu último relatório sobre eventos climáticos extremos, o IPCC considera difícil assegurar que tenham aumentado a intensidade, a frequência ou a duração dos furacões nos últimos 40 anos, quando se iniciaram as observações por satélite.

No entanto, no Atlântico Norte, onde Sandy se originou, "aumentou o número de furacões, em particular os de maior envergadura", avaliou a agência nacional americana oceânica e atmosférica (NOAA).

"Quarenta anos é muito pouco tempo para tirar conclusões" relativas à possível incidência das mudanças climáticas neste aumento, avaliou Planton.

No entanto, um estudo publicado nesta terça-feira na revista Proceedings, da Academia de Ciências dos Estados Unidos (PNAS), tende a confirmar esta incidência do aquecimento global.

Após reconstituir as variações do mar no Golfo do México desde 1923, os investigadores chegaram à conclusão de que "as temporadas de ciclone dos anos quentes foram mais ativas do que as dos anos frios".

Com base em modelos, o IPCC considera "provável" que não haja mais ciclones ou que inclusive haja menos, mas que sejam mais intensos, mais chuvosos e com mais ventos.

Embora os estudos disponíveis sobre o Atlântico Norte tendam a confirmar estes prognósticos, "há uma incerteza sobre estas projeções e são necessárias outras pesquisas", afirmou a NOAA.

No entanto, para Tom Mitchell, encarregado do tema no Instituto de Desenvolvimento de Ultramar britânico, há "já muita coerência entre o que se vê no mundo e os prognósticos do IPCC sobre os eventos extremos".

    Leia tudo sobre: euaclimafuracãometeorologiameioambiente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG