Estudo mostra que abelhas distinguem Picasso de Monet

Pesquisa feita por cientistas da Austrália e do Brasil revelou que insetos conseguem diferenciar pinturas de estilos distintos. Veja o vídeo

BBC |

BBC

Cientistas da Austrália e do Brasil descobriram que as abelhas possuem uma notável capacidade de distinguir entre diferentes estilos de obras de arte.

Experimentos realizados conjuntamente pela Universidade Federal de São Carlos, pela Universidade de Queensland e pela Escola de Psicologia da Universidade de Queensland mostraram que abelhas podem diferenciar uma obra impressionista de Monet de uma pintura cubista de Picasso.

Leia mais: Abelhas são capazes de manipular ideias abstratas, como os mamíferos

A pesquisa visa ainda tirar conclusões sobre como os humanos são capazes de identificar diferenças de cor, forma e luz.

Atrás de uma das pinturas, havia um montante de açúcar. Mas as abelhas eram impedidas de ver ou de sentir o cheiro do alimento.

A experiência foi repetida várias vezes. As obras foram trocadas de lado, sempre com o pote de açúcar acompanhando a mesma pintura.

E as abelhas conseguiram encontrar a comida, identificando as pinturas, já que não podiam sentir o cheiro do alimento.

Elas foram capazes de repetir esse feito até mesmo diante de reproduções em preto e branco das pinturas de Picasso e de Monet.

Veja também:
Arqueólogos acreditam ter encontrado ossada de Mona Lisa
Cientistas revelam segredos de Michelangelo na Capela Sistina
Cientistas explicam como amarelos de Van Gogh se tornaram marrons

A pesquisadora Judith Reinhard, do Instituto do Cérebro da Universidade de Queensland, afirma que abelhas possuem uma capacidade altamente desenvolvida de processar informações visuais complexas e são capazes de distinguir paisagens, tipos de flores e rostos humanos.

''Nosso estudo sugere que diferenciar estilos artísticos não é uma função cognitiva exclusiva de humanos e que animais, de insetos a humanos, têm a capacidade de identificar as características visuais de imagens complexas'', disse Reinhard.

    Leia tudo sobre: artepercepção visualabelhas animaiscérebroneurociência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG