Buraco na camada de ozônio em 2012 foi segundo menor em 20 anos

Fenômeno que se forma todos os anos sobre a Antártida por conta do acúmulo de gases clorados usados em sprays e sistemas de refrigeração, cuja emissão foi proibida em 1985

AFP | - Atualizada às

AFP

Nasa/NOAA
Imagem do buraco da camada de ozônio em seu auge do ano, em 22/09/2012

O buraco na camada de ozônio sobre a Antártida, que se forma anualmente entre setembro e outubro, foi em 2012 o segundo menor em 20 anos devido a temperaturas menos frias, informou esta quarta-feira (24) a Agência Americana Oceanográfica e Atmosférica (NOAA).

Sua superfície média foi de 17,9 milhões de km 2 , detalhou a NOAA (na sigla em inglês), que estabelece estas medições graças a um satélite da Nasa.

"As temperaturas foram um pouco mais quentes este ano na alta atmosfera, sobre a Antártida, o que permitiu uma destruição menor do ozônio em comparação com o ano passado", explicou Jim Butler, do laboratório de pesquisas sobre o sistema terrestre da NOAA.

O buraco de ozônio na Antártida alcançou este ano um máximo para a estação em 22 de setembro, com 21,2 milhões de km 2 , o que equivale à superfície de Estados Unidos, Canadá e México somados.

Leia também:
O que aconteceu com o buraco de ozônio?
Morre cientista que alertou sobre riscos do buraco da camada de ozônio
Buraco na camada de ozônio sobre Antártida está menor que em 2011

Comparativamente, o maior buraco medido nesta camada teve extensão de 29,9 milhões de km 2 no ano 2000.

O buraco começou a se formar a cada ano nos pólos desde a década de 1980 devido aos componentes clorados (clorofluocarbonos, conhecidos como CFC) usados pelo homem no sistema de refrigeração e aerossóis.

A produção de CFC foi agora reduzida praticamente a zero, graças ao protocolo internacional firmado em 1985 em Montreal, mas estas substâncias químicas persistem muito tempo na atmosfera.

O ozônio, uma molécula composta de três átomos de oxigênio, se forma na atmosfera, onde filtra os raios ultravioleta do sol que danificam a vegetação e podem provocar câncer de pele. O frio intenso se mantém como fator principal deste escudo natural.

Sob o efeito do frio, o vapor d'água e as moléculas de ácido nítrico se condensam para formar nuvens nas camadas baixas da estratosfera. Nestas nuvens se forma cloro, o que contribui para a destruição do ozônio.

Apesar da aplicação do Protocolo de Montreal há mais de duas décadas, talvez seja necessário passar 10 anos mais antes que se comece a regenerar a camada de ozônio da Antártida, segundo cientistas do NOAA.

Paul Newman, cientista deste organismo, calcula que a camada de ozônio da Antártida não recuperará seus níveis de princípio dos anos 1980 antes de 2060.

    Leia tudo sobre: ozônioantártidanasa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG