Chefe da comissão de gestão de desastres da Itália renuncia em protesto

Luciano Maiami criticou condenação de cientistas por homicídio culposo por conta das mortes no terremoto de L'Áquila, em 2009

AFP |

AFP

 O chefe do órgão de gestão de grandes desastres da Itália renunciou nesta terça-feira (23) depois que sete de seus membros foram condenados a seis anos de prisão por homicídio culposo por subestimar os riscos de um terremoto ocorrido em 2009.

Luciano Maiami afirmou à agência de notícias Ansa que renunciou como chefe da Comissão de Grandes Riscos porque "não existem as condições para trabalhar de forma serena", um dia após a decisão que chocou a comunidade científica internacional.

Leia também:
Cientistas são condenados por subestimarem terremoto em L'Áquila
Centro da Itália registra terremoto de 4,1 graus
Forte tremor abala novamente região devastada por terremoto na Itália
Protesto ocupa centro histórico de L'Áquila

Maiami, um dos principais físicos da Itália e ex-chefe do CERN, em Genebra, criticou o veredicto aplicado pelo tribunal de L'Aquila na segunda-feira (22), no centro da Itália, afirmando que foi "um grande erro".

"Estes são profissionais que falaram de boa fé e não estavam, de forma alguma, motivados por interesses pessoais, eles sempre disseram que não é possível prever um terremoto", afirmou ao jornal Corriere della Sera.

"Este é o fim de cientistas dando consultas ao Estado", disse.

Os sete réus eram membros da Comissão de Grandes Riscos, que se reuniu em L'Aquila no dia 31 de março de 2009 - seis dias antes do terremoto de 6,3 graus que devastou a região, matando 309 pessoas e deixando milhares de desabrigados.

Sob o sistema judicial italiano, os sete permanecem livres até que tenham esgotado duas chances de recorrer da sentença.

Entre os sete condenados estão grandes nomes da ciência na Itália, como o professor Enzo Boschi, que presidiu o Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia, e o vice-diretor da Defesa Civil, Bernardo de Bernardinis.

O terremoto, que devastou a cidade de L'Aquila, varrendo o centro histórico e deixando mais de 80 mil desabrigados, continua sendo um trauma para todos os italianos e gerou polêmicas sobre as negligências que contribuíram para esse trágico registro.

Durante o julgamento, iniciado em setembro, a procuradoria havia pedido uma pena menor, de quatro anos de prisão, contra os sete membros da Comissão de Grandes Riscos, que havia se reunido em 31 de março de 2009 na cidade de L'Aquila, seis dias antes do sismo que provocou a morte de mais de 300 pessoas.

Leia outras notícias sobre terremotos:
Perfuração em lençol freático pode ter causado terremoto na Espanha
Brasil testará técnica proibida para extrair gás natural
Terremotos no Brasil são raros, mas representam um perigo real
Entenda como acontecem os terremotos 

A justiça considera que as autoridades científicas divulgaram informações tranquilizadoras à população, que, caso contrário, teria conseguido agir para se proteger.

Mais de 400 tremores sacudiram a região durante quatro meses e, apesar disso, as autoridades não tomaram medidas específicas e se limitaram a advertir que os terremotos não podem ser previstos.

A defesa dos acusados anunciou que vai recorrer da sentença, que proíbe também que os cientistas ocupem cargos públicos pelo resto de suas vidas.

Mais de 5.000 membros da comunidade científica escreveram uma carta aberta ao presidente da República italiana, Giorgio Napolitano, na qual asseguraram que um terremoto é impossível de ser previsto.

    Leia tudo sobre: terremotoitáliasistema de alerta

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG