Homínideos chegaram à Sibéria há 1 milhão de anos, segundo cientistas russos

Arqueólogos afirmam que encontraram indícios de ocupação por Homo erectus na região que datam de pelo menos 800 mil anos

EFE |

EFE

Os primeiros ancestrais do homem se instalaram na Sibéria há aproximadamente um milhão de anos, segundo demonstra o estudo da jazida arqueológica de Karama, na região russa da República de Altai, informou nesta sexta-feira o Instituto de Arqueologia e Etnografia russo. "Agora podemos afirmar com segurança que as camadas mais antigas deste povoado primitivo têm uma idade aproximada de um milhão de anos, ou pelo menos de 800 mil anos", explicou aos jornalistas o diretor adjunto do Instituto de Arqueologia, Mikhail Shunkov.

Leia mais:
Novos fósseis complicam a árvore genealógica humana
Ancestrais humanos já usavam fogo há um milhão de anos
Homo erectus foi o primeiro mestre da cozinha, revela estudo
Descoberto na França osso de um dos últimos Homo erectus
Descoberta altera padrões de migração de ancestral do homem

Os pesquisadores russos creem que o Homo erectus chegou à Sibéria vindo da África pela chamada rota migratória do norte, que começou a ser usada pelas comunidades primitivas deste continente há quase dois milhões de anos. "Eles (os homens primitivos) rodeavam o Tibete e o Himalaia tanto pelo norte como pelo sul. Pelo sul chegaram ao Sudeste asiático. A rota do norte passava presumivelmente por (...) os territórios do Cazaquistão e das atuais repúblicas centro-asiáticas, pelas quais finalmente chegaram ao sul da Sibéria", explicou Shunkov. 

As pesquisas paleontológicas, por outro lado, indicam que naquela época o clima de República Altaica era mais benevolente do que o atual. "O clima do Altai de então era pelo menos parecido ao que tem na atualidade o Cáucaso Norte ou inclusive mais quente", concluiu o cientista russo. 

    Leia tudo sobre: RÚSSIA ARQUEOLOGIA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG