Polícia italiana recupera cabeça de estátua roubada de Pompeia

Obra retrataria Agripina, a mãe do imperador Nero, e estava desaparecida há quase três décadas

Reuters | - Atualizada às

Reuters

AP
Cabeça de estátua encontrada pela polícia italiana supostamente é de Agripina, mãe do imperador Nero

A cabeça de uma antiga estátua romana que poderia ser da mãe do imperador Nero foi recuperada depois de ter desaparecido durante décadas, informou a polícia italiana nesta quinta-feira (18).

A peça foi roubada entre 25 e 30 anos atrás de Pompeia, uma cidade romana que ficou soterrada por uma erupção vulcânica em 79 d.C.(depois de Cristo) e é agora um dos locais antigos mais famosos da Itália.

Leia também:
Encontrado navio romano de 2 mil anos na Itália
Esgoto de cidade soterrada revela segredos sobre Roma Antiga
Exposição em Roma tenta reabilitar imagem de Nero
Cientistas descobrem local exato onde Júlio César foi assassinado

"É impossível estimar o seu valor em termos monetários, mas é de interesse cultural e histórico notável", disse o capitão Rocco Papaleo, que conduziu a investigação, à Reuters.

A estátua data de entre 100 a.C. e 50 d.C., quando Roma estava em seu momento mais poderoso como a capital de um império mundial e foi encontrada depois de uma investigação sobre o mercado de arte pela polícia militar de Piacenza, no norte da Itália.

O Departamento de Cultura e Arqueologia de Parma julgou ser de "enorme interesse" e provavelmente ser de Agripina, a jovem, segundo a polícia, que disse que não sabia o paradeiro do corpo da estátua.

A imperatriz romana foi uma das mulheres mais importantes de seu tempo e mãe de Nero, um imperador famoso pela brutalidade. Alguns relatos históricos dizem que Nero ordenou a morte de sua poderosa mãe.

Segundo a polícia, a cabeça de terracota tinha sido escondida por anos por um dentista em Parma, que tentou vendê-la, mas não conseguiu porque era muito evidente como obra roubada.

A cabeça foi recuperada após o dentista tentar vendê-la por meio de um negociante de antiguidades de Piacenza, de 36 anos, que, acidentalmente, alertou a polícia quando tentava encontrar um comprador. Ambos são agora acusados de recebimento e posse de bens arqueológicos.

    Leia tudo sobre: arqueologiapompeiaestátuanero

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG