Espécie de vespa paralisa aranha venenosa na Austrália

Cientistas acreditam que animal esteja contribuindo para reduzir o número da população do aracnídeo

The New York Times | - Atualizada às

Florian and Peter Irwin/ Adelaide University
Combate sem mortos: vespa consegue paralisar aranha venenosa

Uma vespa australiana presta um serviço importante aos seres humanos: ela paralisa a aranha venenosa da espécie Latrodectus hasseltii , endêmica da Austrália.

A fêmea da vespa pica e paralisa a aranha, mas não a mata, afirmou Andrew Austin, biólogo evolutivo da Universidade de Adelaide, na Austrália, e um dos autores do novo estudo sobre a vespa, publicado no periódico The Australian Journal of Entomology.

"A vespa fêmea arrasta a aranha para o interior de uma fenda ou toca", afirmou. "Ela deposita um ovo no animal e, quando as larvas saem, elas se alimentam da carne fresca da aranha."

A vespa de nome Agenioideus nigricornis foi descrita pela primeira vez em 1775, pelo entomólogo dinamarquês Johan Christian Fabricius. Ele observou amostras da aranha trazidas por James Cook de sua viagem à Austrália. Mesmo existindo em toda Austrália, a vespa tem sido quase que totalmente ignorada pelos cientistas desde aquela época.

Leia mais:
Vespa parasita transforma joaninha em guarda-costas 'zumbi'
Pesquisadores descobrem como aranha respira embaixo d'água
Vespas reconhecem rosto uma das outras
Moscas rejeitadas ingerem álcool para afogar as mágoas

Há sete anos, Austin e seu colega Lars Krogmann, do Museu Estadual de História Natural de Stuttgart, na Alemanha, tiveram interesse em aprofundar os estudos sobre a vespa caçadora de aranhas da Austrália.

Muitas espécies de vespas caçam aranhas, afirmou Austin, mas as australianas eram pouco conhecidas.

Há dois anos, o cientista-cidadão do oeste da Austrália Florian Irwin (então com 9 anos) observou a vespa enquanto ela arrastava a aranha para o ninho em seu quintal. O pai de Florian tirou uma foto das duas e a levou junto com os dois espécimes para o Museu do Austrália Ocidental, em Perth. Como Austin e Krogmann estudavam a vespa, o museu transmitiu a informação aos dois.

"É bem possível que essa vespa em específico esteja exercendo pressão considerável e mantendo reduzido o número de aranhas", afirmou Austin.

    Leia tudo sobre: animaisaranhavespa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG