Túmulo de antiga rainha maia é descoberto na Guatemala

Além dos restos mortais de "Kalomt'e K'abel", esposa do rei de Wak, o local reservava joias de jade

EFE |

EFE

Arqueólogos guatemaltecos e americanos descobriram um túmulo real com os restos de uma antiga rainha maia no sítio arqueológico de "El Perú-Waka", no norte da Guatemala.

O diretor do sítio, o americano David Frieldel, explicou em entrevista coletiva que a rainha foi identificada como "Kalomt'e K'abel".

Os restos mortais estavam em "um local muito sagrado para os maias antigos dentro do templo mais importante da cidade" do sítio arqueológico, afirmou.

Segundo Friedel, "Kalomt'e K'abel" foi esposa do rei de Wak, identificado como "K'inich Bahlam II". Os restos da rainha foram transferidos para um laboratório da capital guatemalteca para pesquisas.

Leia mais:
Secas moderadas derrubaram a civilização maia
Arqueólogos encontram na Guatemala o mais antigo calendário maia
Cientistas desvendam profecia maia do 'fim do mundo em 2012'

A antiga rainha maia aparece ao lado de seu marido retratada na Stela 34, monumento maia de 692 a.C. em exibição no museu de Cleveland (EUA). Ela também está representada em objetos encontrados em "El Perú-Waka" em 2006.

Os restos da antiga rainha maia, que era uma guerreira, foram descobertos pela pesquisadora mexicano-americana Olivia Navarro e pela guatemalteca Griselda Pérez.

Olivia explicou que a descoberta aconteceu no dia 9 de junho dentro de uma estrutura do sítio arqueológico conhecida como "M13-1".

As pesquisas no sítio arqueológico, que se encontra na Reserva da Biosfera Maia em Petén, foram iniciadas em 2003. Friedel afirmou que "esta é a descoberta mais importante" que fez durante os seus 43 anos de trabalho como arqueólogo na Reserva da Biosfera Maia na Guatemala.

Segundo Olivia, durante a escavação foi detectado o cômodo principal do edifício denominado "la adosada", que funcionava como um centro de adoração do fogo.

Debaixo de "la adosada" descobriu-se o túmulo onde estavam os restos da antiga rainha maia, com oferendas elaboradas, como vasilhas de cerâmica datadas do final do século 7 e início do século 8.

Também foi encontrada uma considerável quantidade de joias de jade e milhares de lascas e navalhas de obsidiana.

"Uma das oferendas mais importantes é um pequeno copo de alabastro com tampa talhado em forma de caracol do qual emerge um indivíduo de idade avançada" e que foi a peça-chave para a identificação de "Kalomt'e K'abel", destacou a arqueóloga.

    Leia tudo sobre: guatemalamaiaarqueologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG