Veneno de cobra pode ser usado como analgésico mais potente que morfina

Pesquisadores descobriram que cobra mamba negra tem toxinas mais fortes que morfina e que não causam efeitos colaterais

EFE |

EFE

Getty Images
Veneno de mamba negra é um analgésico poderoso e que não causa efeitos colaterais

O veneno da mamba negra, a cobra mais venenosa da África, poderia ser utilizado como um analgésico tão potente quanto à morfina, mas sem seus efeitos colaterais, segundo publica nesta quarta-feira a revista científica "Nature".

O veneno desta cobra contém péptidos que os pesquisadores batizaram como "mambalgins" e que, injetado em ratos, produzem uma analgesia tão forte como a morfina.

No entanto, estes roedores não sofreram alguns dos efeitos adversos mais comuns da morfina, como as dificuldades respiratórias, segundo explicou a pesquisadora e autora principal do artigo, Anne Baron, do Institut de Pharmacologie Moléculaire et Cellulaire de Valbonne, na França.

"Os efeitos analgésicos destes péptidos são tão fortes como os da morfina, mas como não afetam os receptores dos opioides, estão desprovidos de seus efeitos colaterais", detalhou Anne Baron.

Leia mais:
Em momentos de dor, lembre-se de quem você ama
Adolescente sobrevive após ser picado por cobra mais venenosa do mundo
Paracetamol alivia “dor-de-cotovelo”
Dor da rejeição não é só uma metáfora, diz estudo
Picada de cobra-real pode matar um ser humano em 15 minutos

Por este mesmo motivo, a pesquisadora espera que esta substância não gere dependência nos ratos, mas este aspecto ainda precisa ser confirmado.

Pesquisas anteriores haviam concluído que as toxinas de certas serpentes podem aliviar a dor ao inibir a produção de uma série de proteínas conhecidas como canais iônicos sensíveis ao ácido, que se encontram no sistema nervoso central e periférico e que desempenham um papel fundamental nos estados de dor persistente.

Compreender o funcionamento destes canais é "essencial" para o desenvolvimento de novos e melhores analgésicos, acrescentou a pesquisadora.

Anne Baron ressaltou que estas toxinas são "potentes e naturais" e "apontam para novos e promissores objetivos aos quais dirigir os tratamentos contra a dor".

    Leia tudo sobre: animaiscobraanalgésicomorfina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG